segunda-feira, 25 de março de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

“A Serpente”, peça de Nelson Rodrigues, no teatro do Via Sul

quinta-feira, 11 de novembro 2010

Imprimir texto A- A+

Com um ritmo rápido e texto sucinto – em apenas um ato – o dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980) conseguiu escrever uma peça inteira sobre um tema familiar (e pouco ambicioso): a paixão de duas irmãs pelo mesmo homem. No elenco, a atriz Débora Falabella interpreta Guida – uma mulher muito ligada à irmã Lígia (Cyda Morenyx). Ambas casam no mesmo dia e, com os maridos, dividem um apartamento em Copacabana. Um ano depois do casamento, Guida vive uma intensa lua-de-mel e Lígia é praticamente virgem. Muito infeliz, Lígia expulsa o marido de casa e comunica a irmã que está pensando em morrer. É aí que Guida faz a proposta: a irmã deve passar uma noite com seu marido, Paulo.
“É uma montagem que privilegia o trabalho do ator, ressaltando a teatralidade do texto de Nelson Rodrigues, em uma leitura com os olhos de hoje”, destaca Yara de Novaes, diretora desta última peça escrita pelo escritor. “O homem que as irmãs disputam é, na verdade, uma ponte entre elas mesmas”, afirma.

Nelson Rodrigues estava doente quando escreveu “A Serpente”. Parte do texto foi escrita na cama do hospital, entre uma cirurgia e outra. Mesmo assim, a peça foi trabalhada à exaustão. Nelson sempre dizia que quando colocasse o ponto final, não iria rever mais nada e todos os erros fariam parte do processo. A peça foi lançada em 1980, poucos meses antes de Nelson Rodrigues falecer.

A cenografia e figurino são assinados por André Cortez – que criou um cenário de estrutura metálica e fios de nylon para ilustrar o apartamento onde moram as duas irmãs.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter