quinta-feira, 20 de junho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Memórias de Lima Barreto são encenadas no Teatro São José

segunda-feira, 15 de abril 2019

Imprimir texto A- A+

Dentro do circuito Palco Giratório Sesc, que realiza em Fortaleza temporada de espetáculos gratuitos de artes cênicas, acontece hoje, o monólogo “Traga-Me a Cabeça de Lima Barreto”. A partir das 19 horas, o elenco do coletivo carioca Cia. Dos Comuns apresenta o espetáculo no Teatro São José.
Sucesso de crítica e público, a montagem é interpretada pelo ator baiano Hilton Cobra, mais conhecido como Cobrinha. A peça foi escrita por Luiz Marfuz e dirigida por Fernanda Júlia e é inspirada nas memórias do escritor e jornalista negro nascido no subúrbio do Rio em 1881.

Diário Íntimo e Cemitério dos Vivos são as obras adaptadas na peça.O primeiro, publicado em 1953, é um registro do preconceito racial e a exclusão da população negra, o segundo é um diário escrito no período em que Lima Barreto foi internado no hospício da Praia Vermelha, em 1914, devido ao alcoolismo.
A política eugenista (movimento segregacionista do final do século XIX), fundada na teoria do darwnismo social, pretendia o embranquecimento do povo brasileiro. Em Traga-Me a Cabeça de Lima Barreto, o enredo parte do momento da morte do escritor, quando eugenistas exigem a exumação do seu cadáver para uma autópsia a fim de esclarecer “como um cérebro inferior poderia ter produzido tantas obras literárias – romances, crônicas, contos, ensaios e outros alfarrábios – se o privilégio da arte nobre e da boa escrita é das raças superiores?”.

A partir desse embate com os eugenistas, a peça mostra as várias facetas da personalidade e da genialidade de Lima Barreto, sua vida, família, a loucura, o alcoolismo, sua convivência com a pobreza, sua obra não reconhecida, racismo, suas lembranças e tristezas.
• Confira o Palco – A temporada do circuito Palco Giratório em Fortaleza segue até o dia 24 de abril. As próximas atrações do Palco Giratório Sesc acontecem dia 18 de abril, na Praça Luiza Távora com o espetáculo Da Silva, El Hijo de las Americas da Cia. Dona Zefinha (CE).
No sábado 20 de abril, espetáculo sensorial para bebês “Voa”, do Coletivo Antônia (DF) inspirado na obra “A Menina e o Pássaro Encantado”, de Rubem Alves, é realizado no Theatro José de Alencar e no dia seguinte 21 de abril na Casa Absurda.

Na terça-feira (23), às 16h, o espetáculo “Naquele Bairro Encantado” surpreende o público pelas ruas do bairro José Walter, no entorno do Polo de lazer. E na quinta-feira (24), o encerramento do circuito acontece com o Coletivo Manada que apresenta peça sobre a santa popular da cidade de Várzea Alegre, Maria Bil, no Cuca da Barra do Ceará

Sobre o Palco
O Palco Giratório existe desde 1998 e proporciona ações formativas, espetáculos de teatro, circo e dança para todas as idades. Reconhecido como um importante projeto de difusão e intercâmbio das artes, intensifica a formação de plateias com circulação de espetáculos dos mais variados gêneros. Desde o início o circuito já levou 9.526 apresentações em todo o País, muitos desses espetáculos dificilmente encontrariam, sem o apoio do Sesc, viabilidade comercial para apresentações nas diversas regiões brasileiras. Os artistas são selecionados por meio de uma curadoria formada por 33 profissionais do Sesc de todo o Brasil. A partir de critérios como diversidade de linguagem, regiões do país, faixa etária e trajetória dos artistas, a curadoria mapeia questões e tendências latentes no contexto atual das artes cênicas brasileiras.

SERVIÇO
22a edição do Circuito Sesc Palco Giratório. Data: 3 a 24 de abril. Ações: espetáculos e oficinas de artes cênicas. Mais informações:http://sesc.com.br/portal/site/PalcoGiratorio/2018/Espetaculos/ – Acesso gratuito com doação de 2 kg de alimentos.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter