terça-feira, 23 de abril de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Evento com promotores faz críticas à nova Lei do Direito de Resposta

domingo, 13 de dezembro 2015

Imprimir texto A- A+
Reprodução

Reprodução

O doutor em direito penal pela USP e pela Universidade de Coimbra Guilherme Nostre e o jornalista Heródoto Barbeiro criticaram a nova Lei do Direito de Resposta em evento do MPD (Movimento do Ministério Público Democrático), nesta quinta (10).

Realizado na Faculdade de Direito da USP, no largo São Francisco, o evento discutiu os limites da liberdade de expressão e a aplicação da nova lei, aprovada pelo Congresso e sancionada pela presidente Dilma Rousseff em novembro.

Segundo Nostre, a nova lei, que foi mal redigida, ‘faz uma confusão ideológica’.

‘Existe uma questão que é a retificação de informações equivocadas. Outra coisa é o direito de resposta contra ideias e opiniões que afetem a honra, o que parece ser uma questão dúbia. Para que haja direito de resposta precisa ter havido um ataque à honra, e não uma manifestação de opinião que possa eventualmente atingir ou trazer algum tipo de desconforto à pessoa [afetada]’, afirmou.

‘Não existe direito de resposta contra opinião. Isso não faz parte do que se admite em termos de proteção da liberdade de expressão’, completou o especialista.

Já Barbeiro, editor da Record News, afirmou que a discussão sobre direito de resposta deveria ser feita no campo da ética pelos próprios profissionais de imprensa, como ocorre em países com democracia mais antiga e mais consolidada que a brasileira, e não por meio de lei.

Um modelo possível, para ele, seria o que prevê que o ofendido dirija-se a um conselho de jornalistas, que se deve se reunir imediatamente para discutir o caso.
Na opinião de Barbeiro, há algo ‘incipiente’ no Brasil que caminha nesse sentido, mas relacionado à publicidade: o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária).

‘Isso [direito de resposta] deveria ser discutido num tribunal ético, ser feito espontaneamente pelos veículos de comunicação’, defendeu.

Presidente do MPD e mediadora do debate, Laila Shukair afirmou que o movimento concorda com Barbeiro, pois uma de suas bandeiras é evitar a crescente judicialização dos conflitos, tentando apaziguá-los antes de acionar a Justiça.

 

Fonte: Folha Press

Mais conteúdo sobre:

Direito e Justiça

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter