28 C°

terça-feira, 21 de novembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Especialistas discutem avanços das interações oceano-atmosfera

terça-feira, 07 de novembro 2017

Imprimir texto A- A+

No último dia 5, começou, em Fortaleza, a 22ª reunião anual do projeto de colaboração internacional ‘Prediction and Research Moored Array in the Tropical Atlantic’, também conhecido pelo seu acrônimo ‘Pirata’. Em 2017, o projeto completa 20 anos. O evento acontece até 10 de novembro, no Seara Praia Hotel, na Beira Mar.

A conferência internacional Pirata 22 reúne especialistas do Brasil, Estados Unidos e França para discutir os mais recentes estudos em torno da relação oceano e atmosfera. E acontece em Fortaleza em um momento importante, já que a temperatura dos oceanos passa, cada vez mais, a ser essencial para a previsão da quadra chuvosa no Ceará. A conferência tem o apoio da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) e do Labomar, além de instituições de dentro e fora do País.

Objetivos
Entre os principais objetivos do encontro estão: introdução de questões científicas-chave sobre a variabilidade climática do Atlântico Tropical; aumentar o conhecimento dos participantes sobre o Programa Copernicus da União Europeia; reunir jovens cientistas e profissionais que serão os principais motores e usuários de dados oceanográficos operacionais no Brasil e América do Sul nos próximos 10 anos; além de fornecer treinamento direto em questões científicas usando produtos do Copernicus Marine Environment Monitoring Service (CMEMS), que em tradução livre significa “Serviço Europeu de Monitoramento do Ambiente Marinho Copernicus”.

Antes da abertura oficial, dias 3, 4 a 5, aconteceu uma Summer School (Escola de Verão), com o objetivo de introduzir questões científicas-chave do oceano Atlântico Tropical para cientistas, profissionais e estudantes de graduação e pós-graduação, principalmente aqueles ligados à área de oceanografia e meteorologia.

De acordo coordenador do curso de Oceanografia do Instituto de Ciências do Mar (Labomar) da Universidade Federal do Ceará, Prof. Dr. Antônio Geraldo Ferreira, aproximadamente 40 jovens pesquisadores do Brasil e do Exterior participaram da Escola de Verão. E para a conferência principal cerca de 110 participantes garantiram presença.

“Este público de excelência científica é um alvo privilegiado para a Mercator Ocean, o centro francês para análise e previsão do oceano que organiza a Escola de Verão pela primeira vez na América do Sul”, explica Ferreira.

Entrosamento científico
O evento reúne ainda pesquisadores do Ceará e de outros estados do Brasil, além de representantes de países como França e Estados Unidos para discutir os avanços dos estudos das interações oceano-atmosfera na região tropical do Oceano Atlântico. Esta será a segunda reunião do projeto em Fortaleza.

“A realização da conferência em Fortaleza também contribuirá para o entrosamento científico da região com outras partes do mundo, uma vez que os estudantes e pesquisadores presentes terão a oportunidade de colaborar com pessoas do mundo todo que estão engajadas nessa área do conhecimento, em diferentes projetos e colaborações no sentido de treinamento, bem como pós-graduação e programas de intercâmbio. Além disso, a conferência oferecerá uma oportunidade para exposição dos trabalhos realizados pela comunidade científica, promovendo discussão e avanço na área de oceanografia”, reforça o presidente da Conferência Pirata 22.
A programação completa pode ser conferida no site oficial do evento: www.funceme.br/pirata22/.

21 boias
O Pirata é formado por uma rede de boias meteo-oceanográficas operadas e financiadas pela França, Brasil e pelos Estados Unidos. Inicialmente, em 1997, recebeu o nome “Pilot Research Moored Array in the Tropical Atlantic”, porém, um ano depois, foi alterado para “Prediction and Research Moored Array in the Tropical Atlantic”.

Com um total de 21 boias localizadas no Oceano Atlântico Tropical, o Projeto Pirata disponibiliza diariamente gráficos de radiação solar, precipitação, vento, umidade relativa, temperatura do ar, pressão, temperatura de superfície do mar, temperatura de sub-superfície, salinidade e densidade. Com essas informações, a Funceme, entre outros órgãos, desenvolve, por exemplo, produtos com foco regional, que permitem realizar o monitoramento continuo da interface oceano-atmosfera no Atlântico Tropical, auxiliando sobremaneira as tarefas de previsão de tempo, clima e do estado

Fonte: Funceme

outros destaques >>

Facebook

Twitter