28 C°

sábado, 16 de dezembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Terra oca

terça-feira, 07 de Março 2017

Imprimir texto A- A+

Como podemos saber com certeza que a Terra não é oca? Ela não poderia ter uma crosta e um grande vazio por dentro, desconhecido de nós, habitantes da parte externa? Será que alguns governos sabem que a Terra é oca e que lá dentro existe vida e talvez mais evoluída? A teoria da Terra oca não é nova e afirma que a Terra não é sólida, mas sim, oca com aberturas principais nos polos.

Lá dentro, existiria uma civilização mais adiantada que a nossa e que os OVNIs viriam de lá e não de outros mundos. Dizem que existem ao redor do mundo, várias entradas, inclusive no Brasil. Um fato intrigante é que os icebergs são feitos de água doce, mas estão inseridos nos mares de água salgada. De onde vem essa água doce? A teoria convencional não pode responder a essa pergunta, mas a teoria da Terra oca pode.
Existem rios que fluem do centro da Terra e essa água congela quando chega na superfície, formando os icebergs de água fresca, em uma área onde só existe água salgada. A comunidade científica ridiculariza essa ideia, da mesma forma que ridicularizaram no passado a teoria da Terra redonda. Talvez estejam errados agora, como estavam na antiguidade.

Thomas Moore, no seu livro Utopia, fala sobre uma região desconhecida, com uma sociedade organizada, que vivia no interior da Terra. Francis Bacon também nos fala sobre uma civilização que se transferiu para o interior da Terra quando ocorreu uma grande catástrofe há milhares de anos.
Júlio Verne nos escreve sobre um mundo existente no interior do planeta. James Hilton nos fala sobre a existência de Shangri-Lá, uma cidade nas profundezas do Himalaia. Helena Blavatsky, escreveu vários livros onde menciona um governo oculto que mora no interior do planeta. Os índios Macuxi, da Amazônia, falam sobre uma entrada para o centro da Terra, onde existem cidades altamente desenvolvidas. Contam que a viagem demora vários dias, mas após 7 a 8 dias, eles precisam se mover com cuidado, uma vez que o ar misterioso faz as pessoas flutuarem (falta de gravidade).

Talvez a mais importante testemunha seja o almirante americano Richard Byrd, aviador e explorador, que fez 11 expedições aos polos entre 1926 e 1955. Numa dessas viagens, ele teria entrado de avião no centro da Terra, onde teria visto e tido contato com seres que lá habitam, muito mais desenvolvidos que nós. Em 1947, ele relatou sua visita e seu contato com essa civilização ao Pentágono, mas foi ordenado que ficasse em silêncio.
A partir dessa data, ele escreveu um diário onde relatou tudo o que se passou. Esse diário foi descoberto e publicado em 1992, vários anos após sua morte, em 1958. Nele Byrd conta, com detalhes impressionantes, tudo o que se passou e diz que esse contato poderá ser a única esperança para a espécie humana. Fato ou imaginação? Talvez muitas verdades venham dos polos a partir de agora, no momento em que o mundo externo está em crise.

Aplicativo encurta deslocamentos  e reduz emissão de CO² 
A plataforma de georecrutamento Emprego Ligado, em parceria com a G4S, maior empresa de segurança e facilities do mundo, conseguiu reduzir o deslocamento anual dos funcionários da companhia em 803.444 km.
O aplicativo se uniu a uma das maiores empregadoras do mundo, com mais de 610.000 funcionários em mais de 100 países, com o objetivo de conectar os candidatos que estavam mais próximos às vagas disponíveis da G4S.
Além da diminuição de quase 800 mil km em viagens de ônibus, a parceria propiciou 4.000 viagens de ônibus a menos, redução de 700 Kg de Co² emitido na atmosfera da cidade de São Paulo e um grande impacto na vida dos trabalhadores que tiveram um aumento da sua qualidade de vida.
Para ir e voltar do trabalho, Genilson Jesus Reis, auxiliar de limpeza da multinacional, levava quase duas horas no trânsito, fazendo baldeação entre dois trens. Com o remanejamento aplicado com o sistema da Emprego Ligado, agora ele usa apenas um ônibus e leva no máximo 50 minutos para chegar ao local de trabalho.

Por Célio Pezza*
*Escritor e autor de diversos livros, entre eles: As Sete Portas, Ariane, A Palavra Perdida e o mais recente, A Tumba do Apóstolo.

outros destaques >>

Facebook

Twitter