28 C°

sábado, 27 de maio de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Carne brasileira é barrada no exterior

terça-feira, 21 de março 2017

Imprimir texto A- A+

A Operação Carne Fraca, que investiga um esquema de corrupção na fiscalização de frigoríficos, já repercute no comércio exterior. Na manhã de ontem, o governo da Coreia do Sul anunciou que vai aumentar a fiscalização sobre a carne de frango importada do Brasil e que vai suspender, temporariamente, as vendas de produtos de frango da BRF, maior produtora de carne da ave do mundo. O Brasil é o maior fornecedor de carne de frango para a Coreia do Sul.
Segundo a agência de notícias Reuters, mais de 80% das 107.400 toneladas importadas por aquele país asiático em 2016 vieram do Brasil. Quase metade disso foi vendida pela BRF, que diz ainda não ter sido notificada da decisão. Ainda de acordo com a Reuters, a China também suspendeu, temporariamente, as importações de carne brasileira desde o domingo passado (19).

Na Europa, a situação também é delicada. A Comissão Europeia afirmou, ontem (20), em coletiva de imprensa, que está monitorando as importações de carne brasileira e que as empresas envolvidas na Operação Carne Fraca podem ter o acesso ao mercado da União Europeia suspenso. Na América do Sul, o Ministério da Agricultura do Chile também anunciou que vai barrar, por tempo indeterminado importações de carne proveniente de frigoríficos brasileiros.

Reação
O ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) criticou a PF por “erros técnicos” cometidos na Operação Carne Fraca, que levou o presidente Temer a convocar uma reunião de emergência no Palácio do Planalto no último domingo (19). O Governo tentou minimizar o caso e rebater os argumentos técnicos da PF. Três pontos foram contestados: o uso de ácido considerado cancerígeno na mistura de alimentos, a utilização de papelão em lotes de frango e de carne de cabeça de porco.

“Temos cerca de 4.800 plantas de frigoríficos no Brasil, só três plantas foram interditadas, e além delas mais 18 ou 19 serão investigadas”, afirmou o presidente Michel Temer, ontem, em evento da Câmara de Comércio Americana. “Além disso, convenhamos que o Ministério da Agricultura tem 11.300 servidores, e são 30 e poucos envolvidos e que serão investigados, portanto um número diminuto”, acrescentou. O peemedebista, porém, não comentou a suspensão das empresas investigadas pela União Europeia e nem a suspensão temporária das importações por China, Chile e Coreia do Sul, anunciadas ontem. Temer também não falou com a imprensa.

De acordo com o Governo, ao longo de 2016, das 853 mil partidas de produtos de origem animal do Brasil para o exterior, apenas 184 foram consideradas fora de conformidade. Diante de uma plateia de empresários, Temer terminou o discurso com um apelo por mais investimentos. “Quem apostar no Brasil vai ganhar”, disse.

outros destaques >>

Facebook

Twitter