26 C°

quinta-feira, 24 de agosto de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Smart city social será construída em Croatá

sexta-feira, 19 de maio 2017

Imprimir texto A- A+

Com um investimento de US$ 50 milhões (R$ 169,45 mi, pelo fechamento do câmbio de ontem), o Grupo Planet apresentou, ontem, os detalhes da primeira cidade inteligente social do mundo, a Smart City Laguna, situada no distrito de Croatá, em São Gonçalo do Amarante. As vendas da primeira etapa estão em fase de conclusão e as obras iniciam em 15 dias. Unindo tecnologia, sustentabilidade e mobilidade urbana no mesmo local, o empreendimento deverá ajudar a superar o déficit habitacional da região do Pecém, apresentando um inédito modelo referencial para novas cidades, com expectativa e estrutura para comportar cerca de 25 mil pessoas, quando estiver totalmente habitada.
Formado por empresas inglesas e italianas, o Grupo Planet associou-se à SG Desenvolvimento para a construção do projeto residencial e comercial imerso em tecnologia e baseado nos pilares de baixo custo, social e de sustentabilidade. O maior diferencial da smart city é o conceito social de investimento, garantindo financiamento por meio do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) e custos acessíveis. Tanto que o sistema de Casas Olé, da Construtora More Fácil, que é pré-fabricado, garante preços finais baixos, mas com qualidade.

Crescimento
De acordo com o presidente do Grupo Planet, Giovanni Savio, o investimento deverá atingir a marca dos US$ 100 milhões, com a construção das casas, setor comercial, infraestrutura de rede elétrica, de água, equipamentos de wi-fi. “Nosso projeto é construir duas mil casas, em parceria com a More Fácil, do engenheiro André Montenegro, e outras construtoras que queiram empreender ali, pois estamos vendendo lotes na faixa de R$ 28 a R$ 30 mil”, destacou.
Segundo Susana Marchionni, sócia da SG Desenvolvimento, que trabalha na implantação da smart city, o local escolhido para o projeto oferece oportunidades de emprego e sua base é a inclusão social. “Em 2011, li uma reportagem na revista The Economist, que elegeu a região do Pecém como um dos dez melhores lugares do mundo para se investir, principalmente por causa do Porto do Pecém. Iniciei uma pesquisa, percebi que ali havia todos os principais requisitos, além da CSP (Companhia Siderúrgica do Pecém) e outros empreendimentos de grande porte. Conversei com nossos sócios e decidimos realizar o projeto”, disse.

outros destaques >>

Facebook

Twitter