29 C°

domingo, 19 de novembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Vinho tem prazo de validade; siga as dicas para a bebida não virar vinagre

sexta-feira, 09 de junho 2017

Imprimir texto A- A+

Alguns tipos de vinhos podem ser armazenados por décadas a fio, mantendo seu sabor sem alterações. Mas, para não acabar com vinagre na garrafa ao invés de vinho, é preciso garantir que ele será bem cuidado. Para quem não tem (ainda) a adega dos sonhos para estocar seus rótulos de estimação, o jeito é apelar para algumas dicas para não perder as garrafas.

Reprodução

Armazene longe da luz e de calor

“O vinho precisa ser armazenado em um local estável”, explica a sommelière Fabiana Gherardi. “Pode até ser dentro de um armário, desde que seja um lugar que ninguém mexa, com temperatura constante e longe da luz.” O ideal é que a temperatura seja baixa – locais acima de 25oC, por exemplo, acabam estragando a bebida mais rapidamente.

Escolha um local tranquilo

E por “tranquilo”, leia-se local sem trepidações ou vibrações – quando o vinho é agitado, ocorrem reações químicas que podem estragar a bebida. Pelo mesmo motivo, evite ficar trocando as garrafas de lugar o tempo todo. “Vinhos são como bebês – é melhor deixá-los quietinhos!”, diz Fabiana.

Guarde a garrafa deitada, mas nem todas

Tem um motivo para as garrafas de vinho serem acondicionadas deitadas – isso mantém a rolha de cortiça úmida, evitando que o oxigênio entre na garrafa. É o contato com o ar que acaba transformando vinho em vinagre. Vinhos com rolhas de plástico ou tampas de rosca, no entanto, podem ser armazenados em pé sem problema.

Vinhos brancos e rosés gostam de frio

Rótulos brancos e rosés, que são mais delicados, precisam de temperatura um pouco mais amena. Para quem não tem uma adega portátil, o jeito é apelar para a geladeira – de novo, acondicionando na horizontal e não na porta do eletrodoméstico.

Vinho tem prazo de validade

Quando se trata de vinhos mais jovens, como brancos ou tintos mais leves, que ficaram pouco tempo no barril, o melhor é não demorar muito para beber – dois a três anos depois da safra é considerado um tempo adequado. Um caso específico é o champanhe – as garrafas com safra definida precisam ser consumidas em até dois anos. “Como não dá para saber há quanto tempo a garrafa está na loja, minha sugestão é: comprou? Abra logo!”, diz a sommelière. Lembrando que depois de aberto, o vinho dura de 2 a 3 dias e deve ser guardado na geladeira.

Alguns vinhos precisam ser guardados por anos

Já os chamados “vinhos de guarda”, um tipo mais pesado como os Barolos ou Brunellos, podem ser armazenados de cinco a dez anos ou até mais, dependendo do tipo de uva. Estes vinhos demandam um tempo extra na garrafa para que seu sabor se desenvolva. “Alguns precisam ficar quinze, vinte anos guardados até amaciarem”, diz Fabiana. “Algumas pessoas compram a garrafa quando nasce um filho e só abrem quando ele completa 18 anos”. Na dúvida, pergunte ao sommelier – ele tem as informações do produtor sobre a validade da bebida.

A rolha de cortiça pode estragar a bebida

Os especialistas falam muito em bebidas “bouchonnées” ou afetadas pela “doença da rolha”. Trata-se de uma substância química que aparece por causa de fungos na rolha de cortiça e que, por consequência, estragam a bebida. “Não tem como errar: a bebida fica com odor e gosto de mofo”, explica Fabiana. Infelizmente, não tem como adivinhar se a garrafa está afetada na hora de comprar – estima-se que 5% da produção mundial de vinho acaba afetada por esse tipo de problema. Armazenar o vinho na horizontal e no lugar adequado ajuda a evitar os fungos, mas não é garantia para evitar o problema.

Fonte: UOL

 

Mais conteúdo sobre:

Qualidade Vinho

outros destaques >>

Facebook

Twitter