terça-feira, 23 de julho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Aids reduziu 16%, porém é importante se prevenir principalmente no carnaval

quinta-feira, 07 de fevereiro 2019

Imprimir texto A- A+

O índice de mortalidade e transmissão da AIDS, reduziu 16 % no ano de 2018,  conforme informado no Boletim Epidemiológico. Estes dados apontam progresso nas ações que resultaram redução da doença em todo país.

Porém, na época do carnaval muitas pessoas, na euforia das festas, acabam se descuidando e contraindo o vírus HIV.

Portanto o uso de preservativos é essencial para prevenir as doenças sexualmente transmissíveis como, Aids, sífilis e etc. Segundo informações do Ministério da Saúde  os jovens  fazem menor uso de preservativo nesta época do ano.

Transmissão da Aids

A transmissão da Aids, acontece através das seguintes situações;

●     Relações sexuais sem preservativo

●     Transfusão de Sangue

●     Reuso de materiais perfurocortantes ( seringas e agulhas)

●     Aleitamento materno (quando a mãe é portadora do vírus)

●     Durante a gestação ou Parto ( acontece nos casos em que a mãe é portadora do vírus)

O vírus da aids, não é transmitido pelo beijo como alguns afirmam, isto é um mito de acordo a ciência.

Quando uma pessoa é infectada pelo HIV, alguns sintomas surgem entre a 03º e 06º semana após infecção  do vírus.

Sintomas do HIV

Após  a infecção ,este vírus circula no corrente sanguínea e começa a baixar a imunidade. Pois elimina os anticorpos gradativamente, deixando o paciente suscetível a diversos tipos de enfermidades.Levando o paciente a apresentar sintomas de:

●     Emagrecimento involuntário

●     Diarreia alongada ( período normal 2 dias à 2 semanas)

●      Fraqueza no corpo

●     Língua branca ou úlceras na boca

No entanto a intensidade e periodicidade dos sintomas é variável, de acordo o nível da carga viral.

Diagnosticando e Tratando

O diagnóstico e tratamento da doença, é realizado pelo SUS( sistema único de saúde) porém também é possível obter o diagnóstico em  Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA)  de forma gratuita. Os  principais métodos de diagnóstico são :

●      Teste-rápido

●      Exame de sangue

●      RNA do HIV (permite detectar a infecção por volta de 05 dias após a infecção)

Sendo que os métodos mais comuns são ;exame de sangue e teste rápido.

Visto que no começo da infecção o vírus  não é detectado, por conta da janela imunológica.

É recomendável que seja feito o exame  30 dias após a suspeita de infecção ou relação sexual desprotegida. Porém em casos de suspeita sempre procure orientações do médico.

Nos casos em que os pacientes são identificados como soro-positivo, os profissionais da saúde realizam o tratamento com medicamentos antirretrovirais na maioria dos casos.Estes remédios inibem  a proliferação do vírus na corrente sanguínea, permitindo ao portador do vírus eliminar o risco de morte que a doença traz. Transformando o paciente em  portador de doença crônica ao invés de mortal.

Por exemplo: diabetes e hipertensão são consideradas doenças crônicas pois não existe cura através da  medicina.Entretanto à aderência ao tratamento em alguns casos é difícil, mediante os efeitos colaterais provocados,  pelo medicamento.

Os principais efeitos colaterais são :

●     Enjoos

●     Diarreias

●     Lipodistrofia (remanejamento da gordura do organismo)

●     Neuropatia periférica ( Fraqueza, dormência, dor devido a disfunção de nervos periféricos, afetando principalmente mãos e pés)

Para os casos de mães portadoras do HIV, existe a possibilidade da não transmissão da doença mediante o tratamento.

No começo do tratamento muitos pacientes sentem-se deprimidos, demonstram difícil adaptação,  por conta de estigmas sociais e ou por conta de efeitos colaterais (do medicamento). Entretanto é muito importante seguir a orientação médica, e caso seja necessário é recomendável procurar por um psicólogo ou psiquiatra para auxiliar no processo de tratamento.

Atualizado por Natasha Ribeiro
natasha@oestadoce.com.br
Fonte: Sul América Saúde

Mais conteúdo sobre:

Saúde Prevenção AIDS

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter