28 C°

sábado, 24 de junho de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Comer demais é ruim para o meio ambiente e prejudica a alimentação mundial

segunda-feira, 06 de março 2017

Imprimir texto A- A+
Reprodução

Reprodução

Comer demais afeta mais do que o seu peso. Pode prejudicar a alimentação da população mundial e o meio ambiente.

De acordo com um estudo da Universidade de Edimburgo, quase 20% dos alimentos produzidos são desperdiçados pelos consumidores. A população mundial consome cerca de 10 % mais alimentos do que precisa, enquanto quase 9% é jogado fora ou deixado para estragar.

Usando dados coletados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, pesquisadores examinaram dez etapas fundamentais no sistema alimentar global, incluindo o consumo de alimentos e o crescimento e colheita de culturas.

A equipe descobriu que mais alimentos são perdidos do se pensava anteriormente.

Quase metade das colheitas, o que representa 2,1 bilhões de toneladas, são perdidas por consumo excessivo, desperdício e ineficiência nos processos de produção, dizem os cientistas.

A produção de gado é o processo menos eficiente e perde 840 milhões de toneladas. Cerca de 1,08 bilhão de toneladas de colheitas são utilizadas para produzir 240 milhões de toneladas de produtos animais comestíveis, incluindo carne, leite e ovos. Este estágio sozinho responde por 40% de todas as perdas de colheitas.

De acordo com o estudo, publicado na revista Agricultural Systems, o aumento da procura por alguns alimentos, em especial a carne e lacticínios, pode reduzir a eficiência do sistema alimentar e dificultar assim que toda a população seja alimentada.

Atender a essa demanda poderia causar danos ambientais, elevar as emissões de gases de efeito estufa, esgotar o abastecimento de água e causar perda de biodiversidade.

Para os pesquisadores, uma forma de reduzir o desperdício seria incentivar as pessoas a comerem menos produtos animais, reduzir o desperdício e não exceder as necessidades nutricionais do organismo.

Fonte: UOL

Mais conteúdo sobre:

Saúde Meio Ambiente alimentação

outros destaques >>

Facebook

Twitter