28 C°

quarta-feira, 22 de novembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Como acabar com a flacidez depois de emagrecer muitos quilos

terça-feira, 07 de novembro 2017

Imprimir texto A- A+

É muito comum sentir a pele mais fina e envelhecida depois de passar por um tratamento para emagrecer. De acordo com Fábio Busnardo, do Núcleo Avançado de Cirurgia Plástica do Hospital Sírio-Libanês, isso acontece porque, ao engordar, a pele sofre uma distensão causada pelo aumento do volume de tecido adiposo –sob a pele. Quando o excesso de gordura é eliminado, as fibras elásticas e colágenas que dão suporte à pele perdem sua capacidade de retração e ela se torna flácida.

Todo o corpo sofre com a flacidez, mas algumas áreas são mais suscetíveis, como braços, coxas, glúteos, abdômen e rosto. “De modo geral, as maiores queixas são relacionadas à face. Já reclamações sobre o abdômen e as mamas são bastante frequentes após a gestação”, avalia Busnardo.

A flacidez pode ser tissular, quando o tecido cutâneo é afetado, ou muscular, quando o alvo é a musculatura subcutânea. Geralmente ambas aparecem associadas.

São múltiplos os fatores que causam flacidez, não é apenas o processo de emagrecimento. “Antes de tudo, é preciso considerar que há uma predisposição genética. Alguns indivíduos têm fibras cólagenas e elásticas mais resistentes ao efeito dos anos e demoram para apresentar os primeiros sinais”, afirma Busnardo. Além disso, a partir dos 30 anos, é normal que a pele perca um pouco de sua elasticidade e de seu tônus – trata-se de um processo natural de envelhecimento das fibras. Fatores externos, como exposição excessiva ao sol sem proteção, tabagismo, sedentarismo e alimentação inadequada, aceleram o processo.

Qual o segredo para evitar a flacidez?

O uso de protetor solar é a recomendação número um dos dermatologistas. O motivo é conhecido: os raios ultravioletas têm a capacidade de destruir a estrutura do colágeno, prejudicando a sustentação da pele. O abandono do hábito de fumar vem logo atrás. “Cada cigarro possui mais de 4.700 substâncias tóxicas em sua composição e compromete por até 90 minutos a oxigenação da pele, deixando-a grossa, amarelada, sem viço e opaca. Ele ainda favorece a perda de colágeno, o que não só leva à flacidez, como também provoca rugas ao redor dos lábios e dos olhos”, ressalta Adriano Loyola, assessor do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Já quando o assunto é alimentação, é fundamental que não falte no prato vegetais, frutas, cereais e hortaliças. Esses alimentos são antioxidantes e combatem a ação dos radicais livres, causadores do envelhecimento precoce. Invista também em itens que atuam na formação do colágeno, como peixes e leguminosas, ricos em proteínas, e abacate, repleto de vitamina A.

Ah, e jamais se esqueça da boa e velha água! A bebida renova as fibras colágenas, melhora a circulação e elimina o inchaço causado pela retenção de líquidos. Para fortalecer e tonificar a musculatura, pratique exercícios físicos com pesos.

Abdômen, coxa, glúteos e parte interna dos braços devem ser trabalhados com movimentos específicos. Além da musculação, é preciso realizar aeróbicos moderados para fortalecer o sistema cardiorrespiratório e garantir o envio de nutrientes importantes para a saúde da pele.

Segundo Adriano Loyola, além da manutenção de uma rotina saudável, há uma série de tratamentos não invasivos eficazes no combate à flacidez. “Os métodos não invasivos atuam gerando estímulos para melhorar a vitalidade da pele e a organização das fibras do colágeno”, garante.

Fonte: UOL

 

Mais conteúdo sobre:

Saúde Pelé Flacidez

outros destaques >>

Facebook

Twitter