28 C°

quinta-feira, 21 de setembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Está passando mal? A culpa pode não ser da última coisa que você comeu

segunda-feira, 10 de julho 2017

Imprimir texto A- A+

Acontece como um raio que aparece de repente. Uma hora você está bem e, segundos depois começa a suar, sentir cólicas dolorosas que se movem como uma onda na sua barriga. Você vomita, tem diarreia, ou tem tudo ao mesmo tempo, com medo de não sobreviver para contar a história.

Então o drama acaba. Você volta a ser a mesma pessoa de sempre, depois de um dia ou dois de molho, assistindo Netflix e se alimentando de bolacha água e sal e Coca-Cola.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA estima que esse cenário, conhecido como “evento gastrointestinal agudo”, aconteça com todas as pessoas ao menos uma vez ao ano. Mas, embora não sejam nada prazerosos, os episódios quase nunca resultam em um ida ao médico, nem exigem o uso de medicamentos.

Reprodução

O estômago leva de quatro a seis horas para digerir uma refeição inteira e o intestino delgado precisa de mais seis a oito horas para consumir todos os nutrientes e enviar o restante para o intestino grosso. O resto fica lá por períodos que vão de um a três dias, fermentando e se transformando naquilo que vai embora com a descarga.

O tempo de trânsito pelas entranhas vária consideravelmente de pessoa para pessoa, mas os médicos afiram que o melhor jeito de saber quanto tempo a sua digestão demora é comer milho e esperar suas sementes não digeridas aparecerem no cocô. Pode ser meio nojento, mas com isso em mente, na próxima vez que você ficar doente, vai ser mais fácil identificar o que foi que fez mal.

Por exemplo, se você vomita alguma coisa, mas não tem diarreia mais pra frente, provavelmente comeu alguma coisa que fez mal nas últimas de 4 a 6 horas.

Se acorda no meio da noite com cólica e diarreia, é mais provável que tenha comido alguma coisa ruim nas últimas de 18 a 48 horas, dependendo dos resultados do teste do milho.

Fonte: UOL

Mais conteúdo sobre:

Saúde Estômago

outros destaques >>

Facebook

Twitter