28 C°

sábado, 16 de dezembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Reações alérgicas podem ser desencadeadas em viagem de avião

segunda-feira, 04 de dezembro 2017

Imprimir texto A- A+

Você já pensou que aquele amendoim que servem durante os voos pode ser um vilão, desencadeador de reações alérgicas, como a anafilaxia, a mais grave delas? Cerca de 2,75 bilhões de passageiros são transportados pelas companhias aéreas em todo o mundo. Desses, cerca de 9% são alérgicos ao amendoim e apresentam algum tipo de reação alérgica durante os voos.

Reprodução

Uma palestra realizada pelo Dr. Mário Sanchez Borges, Presidente da World Allergy Organization, durante o 44º Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia, mostrou que ocorrem até 44 mil emergências médicas durante voos a cada ano, no mundo. Dessas, 17% dos passageiros são transferidos para o hospital e 4% deles ficam hospitalizados ou vão a óbito.

Os motivos são diversos. Medo de voar, o passageiro leva um remédio para acalmar. O medicamento pode dar reação alérgica. Asma e rinite são outras doenças que podem exacerbar dentro do avião. Mudanças no ambiente da cabine, como temperatura, humidade e pressão atmosférica são alguns dos fatores que impactam na ocorrência das alergias.

As reações alérgicas em voos representam entre 2% a 4% dos problemas médicos a bordo. De 2002 a 2007, foi a 7ª causa mais comum das ocorrências nos aviões. Os problemas respiratórios ocupam o 5º lugar e a asma aparece em 14º. As reações aos alimentos (amendoim, nozes, frutos do mar) ou medicamentos são as mais comuns.

O que pode ser feito pelas companhias aéreas para minimizar as ocorrências de reação alérgica? O Dr. Herberto Chong Neto, diretor da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), dá algumas dicas.

“Os passageiros que solicitam qualquer tipo de atenção especial não devem receber aperitivos como amendoim, nozes e castanhas. É importante evitar o contato dessas pessoas onde possa haver traços de amendoins/castanhas e solicitar uma área separada. Não consumir comida fornecida pela companhia aérea e não usar travesseiros ou cobertores do avião também é recomendável”, orienta o especialista.

Atenção a outras precauções:

– Promover a prevenção de doenças alérgicas através da educação dos passageiros;

– Realizar consulta médica para passageiros de alto risco antes de viajar;

– Treinar a tripulação de voo para prontamente reconhecer as reações alérgicas;

– Promover medidas preventivas gerais durante o voo: hidratação, prevenção de alérgenos alimentares (especialmente amendoim, nozes, outros alimentos, conforme necessário);

– Fornecer um lugar apropriado para animais de estimação, longe de indivíduos com alergia;

– Fornecer quantidades suficientes de medicamentos apropriados: epinefrina (adrenalina), agonistas para inalação e nebulização, corticosteroides orais e injetáveis e anti-histamínicos;

– Inspecionar um plano de tratamento;

– Oxigênio.

“Pacientes que tiveram uma reação anafilática uma semana antes da viagem não devem voar. A orientação é procurar o especialista em alergia, que receitará medicamentos que poderão prevenir uma nova reação alérgica grave”, orienta Dr. Chong.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Mais conteúdo sobre:

Saúde Avião Alergia

outros destaques >>

Facebook

Twitter