sexta-feira, 23 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Supermercados não garantem que carne não gera desmatamento, diz Greenpeace

sexta-feira, 20 de novembro 2015

Imprimir texto A- A+

carne

Um relatório elaborado pelo Greenpeace, ONG que luta pela proteção do meio ambiente, aponta que as maiores redes de supermercados do Brasil não garantem que a carne que vendem provenha de áreas que não sofreram desmatamento.

Em setembro, o IBGE divulgou pesquisa indicando que a abertura de áreas de pastagens foi responsável por 35% do desflorestamento no país entre 2000 e 2010 – com 127.200 km² de áreas desmatadas.

O Greenpeace solicitou a redes verejistas como Walmart, Carrefour e Pão de Açúcar informações sobre suas políticas de aquisição de carne bovina oriunda da Amazônia. A conclusão, segundo a organização, é de que “nenhuma delas consegue garantir que 100% da carne que comercializa é livre de crimes socioambientais”.

O relatório da ONG avalia a existência e o alcance das políticas de aquisição de alimentos, os critérios dessas políticas e quanto os supermercados são transparentes em relação ao tema junto a seus consumidores e fornecedores.

Dentre as empresas analisadas, o Walmart foi a que apresentou o melhor resultado, alcançando 62% dos requisitos considerados fundamentais pelo Greenpeace. Atrás dele ficaram o Carrefour, com 23% dos requisitos cumpridos, o Grupo Pão de Açúcar, com 15%, e o Cencosud, com 3%. Nenhuma delas atingiu o “patamar verde” de, no mínimo, 70% dos requisitos contemplados.

Três supermercados, o Grupo Pereira-Comper (presente no Mato Grosso), o Grupo DB (que têm forte presença na Amazônia) e o Yamada, não responderam à consulta feita pelo Greenpeace.

Segundo o Greenpeace, “desde 2009 existem frigoríficos comprometidos com o desmatamento zero”. Com o relatório, a ONG inaugura campanha para convencer os supermercados a assumirem a mesma responsabilidade.

Para Adriana Charoux, integrante do Greenpeace no Brasil, os supermercados possuem força para ajudar o Brasil a atingir suas metas de redução de emissão de gases de efeito estufa. “Eles podem impedir que a carne contaminada com a destruição da floresta chegue ao nosso prato”, afirma.

“Esta é a chance que os supermercados têm de fazer parte da solução, trazendo a proteção das florestas para o centro de suas políticas de compra de carne bovina”, diz a ativista.

O relatório do Greenpeace também aponta falta de conhecimento pelos supermercados sobre produtos que poderiam estar relacionados ao trabalho escravo e à violência no campo.”Os brasileiros têm o direito de saber se sua refeição está contribuindo com a destruição da Amazônia ou com a violação de direitos humanos”, afirma Adriana Charoux.

Campanha

Para chamar atenção dos consumidores para o problema, o Greenpeace realizou uma ação em quatro lojas do Pão de Açúcar em São Paulo. Ativistas da ONG colaram etiquetas em bandejas de carne com a pergunta “você sabe de onde vem esta carne?”.

A ONG coletou mais de 1,4 milhão de assinaturas de cidadãos em apoio a projeto de lei para regulamentação do “desmatamento zero” – apresentado ao Congresso Nacional em outubro.
 
Outro Lado

O relatório do Greenpeace informa que, em 2013, o Walmart apresentou um compromisso pelo Desmatamento Zero e anunciou uma política de aquisição para carne e seus derivados no Brasil. De acordo com a companhia, “é um documento interno que determina regras e responsabilidades para todos os empregados da área comercial que estejam envolvidos no processo de comercialização de carne no bioma Amazônia”.

Ainda segundo o relatório da ONG, o Carrefour se comprometeu a alcançar o desmatamento líquido zero até 2020. O grupo informou ao Greenpeace que, atualmente, recusa gado de fazendas envolvidas com desmatamento ilegal.

De acordo com o questionário respondido pelo Grupo Pão de Açúcar, atualmente 70% de sua carne é fornecida pelos três maiores frigoríficos do país, que já estão comprometidos com o Desmatamento Zero e já implementaram sistemas de monitoramento que impedem fazendas com novos desmatamentos de serem fornecedoras da rede.

No relatório, o Greenpeace afirma que a rastreabilidade dos fornecedores indiretos é um grande desafio para todo o setor. Entretanto, diz que as empresas avaliadas, devido a grande participação que possuem no mercado – chegando a cerca de dois terços de todas as vendas de varejo em território nacional – possuem “responsabilidade de se comprometer com uma cadeia de fornecimento livre de desmatamento e de assumir um papel de protagonismo na busca por soluções que melhorem a rastreabilidade dos fornecedores”.

Fonte: UOL

ASSINATURA-NATASHA

Mais conteúdo sobre:

Carne Greenpeace Brasil Desmatamento

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter