quarta-feira, 14 de novembro de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Caminho dos campeões, projeto social busca mudar vidas

terça-feira, 31 de outubro 2017

Imprimir texto A- A+

Um golaço fora de campo. Uma vitória que não exige taças ou volta olímpica. Um título que se conquista a cada vida que toma um novo rumo, um caminho diferente daquele que parecia não ter outra escolha. Ideias simples, mas que colocam vidas no lugar mais alto do pódio, como referência, como prioridade. Assim contamos a história de um projeto que já nasce vencedor e tem todos os pré-requisitos para ser um divisor de águas nas vidas de muitas famílias.

FOTO LUCAS MOURA

Plauto de Lima, Tenente coronel da Polícia Militar do Ceará e Mestre em Planejamento de Políticas Públicas (Uece), um homem simples e com disposição para ajudar ao próximo, certo dia conversando com Nelson, que é pastor evangélico e um apaixonado por Unidades Socioeducativas, teve a grande sacada: usar o esporte para ajudar jovens que cumprem medidas socioeducativas, instigando o desenvolvimento educacional e social dessas pessoas.

O militar, que também é dirigente do Fortaleza Esporte Clube, resolveu, então, não perder tempo e debater a boa nova com o atual mandatário do clube do Pici, Luís Eduardo Girão. “Conversei com o presidente e ele aceitou de imediato a sugestão, me deu carta branca, se dispôs a ajudar em tudo que fosse necessário para que a ideia saísse do papel. Eduardo é um cidadão também muito preocupado com o próximo, com a responsabilidade social”, garante Plauto.

O projeto
A ideia do coronel militar consiste em levar o Fortaleza, enquanto entidade futebolística, para dentro das unidades como Centro Educacional Patativa do Assaré, através de escolinhas, estimulando a garotada a praticar o futebol, dando oportunidade aos jovens de mostrarem seus talentos, buscando plantar a sementinha do bem, do amor ao próximo, estimulando a meninada a enxergar no desporto a grande chance de vislumbrar um futuro digno, correto e justo. Ou seja, a oportunidade de ser alguém na vida.

A partir do sim da gestão do Tricolor de Aço, o próximo passo foi buscar o superintendente do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo (Seas), Cássio Franco, que aprovou imediatamente. “Gosto do superintendente porque ele é não muito afeito a burocracias não, quis iniciar logo, tendo a iniciativa privada fica tudo mais fácil, expliquei a ele que nós entrávamos com a marca Fortaleza – que é atrativa e forte – e eles entrariam com a estrutura física. Faltava só o link entre as partes, e nós o fizemos”, esclarece o dirigente leonino.

Oficialização
No dia 15 de setembro, então, veio a assinatura da parceria entre o Fortaleza Esporte Clube e Governo do Estado, em uma honrosa solenidade que marcou a assinatura do Termo de Cooperação, realizada no Estádio Alcides Santos e que contou com a todo o corpo diretivo do Leão, do Seas, além da ilustre presença da vice-governadora Izolda Cela, que se encantou com o projeto e fez questão de participar. Na oportunidade, um confronto entre jovens da categoria de base do Leão e meninos da unidade foi disputado para selar de vez o pontapé inicial. O resultado? Todos ganharam, isso é o que importa.

“A parceria com o Fortaleza Esporte Clube é um marco bastante significativo, representa o novo modelo de gestão que o Governo do Estado do Ceará está imprimindo no Sistema Socioeducativo. Representa o avanço, nas práticas e na forma de enxergar e ver o adolescente e de proporcionar para ele outras oportunidades reais de aprendizagem e ressignificação de valores”, disse Cássio Franco.

Para Luís Eduardo Girão, é uma obrigação social e uma oportunidade do clube de servir à população do Estado. “O Fortaleza vai participar dessa parceria, que é uma ideia de vanguarda, e tem tudo para dar certo. Acreditamos no Ceará Pacífico, na ideia da construção da paz e vamos usar o esporte para o bem, vamos nessas instituições socioeducativas para ajudar a resgatar esses garotos, sabendo também dos valores que podem ser descobertos, pois sabemos que existem garotos com grande potencial”, conjecturou.

“A primeira palavra é de agradecimento, é de gratidão por essa oportunidade que se estabelece a partir dessa cooperação entre Governo, a Superintendência do Sistema Socioeducativo e o Fortaleza. É uma possibilidade para eles, que o governo, por si só, jamais poderia oferecer, mesmo que tivesse todo o recurso. Esses jovens precisam de oportunidades para reorganizar seus projetos de vida e trajetória, e hoje podemos oferecer a essas pessoas projetos de vida melhores, pois sem isso não temos chances”, afirmou a vice-governadora.

Continuidade
Plauto de Lima levantou, todavia, uma questão que o deixava perturbado, mesmo diante de tamanha alegria ao ver aquela singela ideia se tornar algo tão grande e importante: a garantia da continuidade do projeto mesmo depois das próximas eleições diretivas no clube ou mesmo no governo estadual. O coronel lutou para que fosse feito um convênio com o Estado, sem fins lucrativos, para que a ideia se tornasse uma política pública. “É isso que eu e todos que estão envolvidos nesse projeto queremos, que não se enxergue como algo ligado a uma gestão, temos algo muito maior em jogo, nós passaremos, mas a preocupação com a juventude tem de existir sempre”, afirmou.

Os departamentos jurídicos preparam a minuta, avaliaram e foi aí que Izolda Cela teve grande participação. “A vice-governadora adorou o projeto, achou o máximo e isso nos deixou felizes demais. É uma mulher de fibra e preocupada com o próximo, então abraçou a causa, transformou em política pública, fez questão de estar presente na assinatura do termo, agora temos a certeza de que esse projeto seguirá adiante, contribuindo para que tantos jovens busquem a ressocialização através do esporte”, falou Plauto.

Pioneirismo
Uma parceria nesses moldes, envolvendo um clube gigante do futebol nacional, é algo que beira o ineditismo, não só no Estado como também no País, pelo menos é o que diz o superintendente do Seas. “Eu desconheço qualquer parceria neste nível de atuação e integração. Já soube de algo no estado de São Paulo, alguns anos atrás, alguns jogos de abertura do campeonato estadual eram feitos com times das unidades socioeducativas. Mas a dimensão que temos aqui no Estado do Ceará abrange um contexto mais significativo porque traz um clube de futebol como o Fortaleza para a nossa realidade”, diz Cássio.

Foi montado um centro de treinamento dentro da unidade, onde o Tricolor de Aço entra com o apoio logístico, além das especificidades do trabalho desportivo. Já as aulas são ministradas por educadores físicos da Seas. O clube tem um profissional responsável por analisar e avaliar a garotada, destacando algum talento que possa vir a surgir nas atividades. Os jovens que despontarem serão pré-selecionados e trabalharão diretamente no Centro de Treinamento leonino. Por falar em talentos, dois garotos bons de bola já chamaram atenção do clube e trabalham juntamente com a meninada tricolor.

Entretanto, o objetivo direto do projeto transcende a possibilidade do surgimento de grandes talentos, ultrapassa os limites da prática esportiva. O esporte é apenas um fio condutor que busca recondicionar meninos que cometeram algum deslize na vida e que podem sim seguir por um outro caminho. “Queremos que, através de atividades esportivas, esses garotos aprendam regras de convivência pessoal, desenvolvam a capacidade de se relacionarem com o outro, a disciplina, a própria prática esportiva como elemento de saúde e bem estar, como também uma perspectiva de vivência por meio do esporte após o cumprimento de sua medida, então há várias dimensões que esse projeto almeja alcançar”, garante o titular do Seas.

Orgulho
“Para nós é um orgulho muito grande participar disso tudo. Uma ideia que está brotando e esperamos que floresça, que seja seguida também pelos nossos coirmãos Ceará, Ferroviário e demais clubes do Estado, seria interessante que cada clube ‘adotasse’ uma unidade socioeducativa e estimulasse esse processo de ressocialização. Teremos um percentual mínimo de atletas saídos desses lugares, é uma verdade, porém, o que nós queremos, o que buscamos é semear sonhos. Se um menino desse tiver sua vida mudada pelo projeto, um só, já valeu a pena tudo isso e valerá a pena seguir em frente”, diz Plauto.

O coronel já deixa em aberto uma possibilidade de expansão dessa escolinha para o futuro. “O presidente Luís Eduardo já conversou com a vice-governadora Izolda e sugeriu que o projeto fosse levado a todas as areninhas da cidade, cada uma abrigando uma atividade relativa ao Fortaleza, uma escolinha, pediu também que encorajem o Ceará também, e que juntos possamos contrapor as ofertas de drogas, que possamos rebatê-las com dignidade, esporte e compromisso”, completa.

Gera Ação: do que se trata?

O reordenamento institucional faz parte de um dos eixos do Ceará Pacífico, mas dentro desse reordenamento institucional do sistema socioeducativo, existem vários eixos norteadores. Existe a parte da gestão organizacional, a valorização do servidor, a implementação de rotinas preventivas de segurança, a escolarização, a profissionalização, práticas restaurativas, e a educação pelo esporte, no qual dentro de cada uma dessas ações foram lançados programas.

Qualidade de vida
Um dos programas que foram lançados é denominado “Esporte Gera Ação”, que traz esses valores do esporte, qualidade de vida para os indivíduos como um elemento que agrega através das regras de convivência, através das regras do jogo um elemento pedagógico bastante importante, um elemento que traz possibilidades àqueles que se destacam como atletas consigam realmente seguir uma carreira como jogador e também um outro elemento também como uma fonte de possibilidade de geração de renda e a formação de atletas.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter