quarta-feira, 14 de novembro de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Juazeiro do Norte discute gerenciamento de lixo

terça-feira, 31 de outubro 2017

Imprimir texto A- A+

É crescente, no seio da sociedade brasileira, a preocupação da população com o meio ambiente nos dias de hoje, principalmente com fatores que estão relacionados a criação e destinação de resíduos sólidos, uma vez que se esses materiais não tiverem uma correta destinação, podem acarretar graves problemas de poluição ao solo, ar e água, bem como auxiliar na ploriferação de insetos e outros fatores que possam transmitir doenças.
Todos os estabelecimentos, sejam domiciliares, comerciais ou industriais, precisam criar ferramentas para disponibilizar, de maneira apropriada, os seus resíduos sólidos, minimizando, assim, o impacto causado no meio ambiente. Os riscos ocasionados da não observação dessas medidas ambientais podem ocasionar contaminação do solo e lençóis freáticos, causando um prejuízo difícil de reverter a longo prazo.

Com o desenvolvimento da economia nas últimas décadas, houve uma diversificação e aumento dos resíduos gerados por toda a população, o que aumenta a necessidade de se investir em formas de preservação da fauna e da flora das localidades.
Neste sentido, a Secretaria de Meio Ambiente, Agricultura e Serviços Públicos (Semasp), Autarquia Municipal de Meio Ambiente de Juazeiro do Norte (Amaju) e Conselho Municipal de defesa do Meio ambiente (Comdema) estão orientando os grandes geradores de resíduos sólidos ou perigosos do município a gerenciarem os detritos provenientes de suas atividades, designando um responsável técnico, qualificado, para gerenciar internamente e acompanhar a destinação e disposição final dos resíduos.

A orientação está prescrita na Lei 12.305/2010, que rege sobre a Política Nacional dos Resíduos Sólidos, salientando a responsabilidade dos grandes empreendimentos em realizar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos e contratar um profissional qualificado para execução desse trabalho. Segundo o Superintendente da Amaju, Sidney Kal-Rais, “a medida garantirá um melhor direcionamento do trabalho realizado pela coleta pública municipal, contribuindo também na geração de emprego para Engenheiros Ambientais, Civis, de Materiais, Tecnólogos de Saneamento, Biólogos e Técnicos de Meio Ambiente, dentre outros profissionais qualificados para trabalhar com o gerenciamento de resíduos”, ressalta.

Plano
O Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PGIRS) é um importante instrumento para nortear ações voltadas à Política Nacional de Resíduos Sólidos, definida pela lei 12.305/2010 que estabelece, para todos os atores envolvidos (produtores de mercadorias que geram resíduos nas fases de produção, consumo e pós-consumo, comerciantes, distribuidores, importadores, prestadores de serviço público ou privado de manejo de resíduos sólidos e consumidores) maneiras de atuação a fim de atingir, em determinado período, os objetivos da Política.

Coleta
Em maio, a Prefeitura do município de Juazeiro do Norte, localizado a cerca de 490 quilômetros de Fortaleza, promoveu uma reunião técnica para tratar da implementação da coleta seletiva de resíduos sólidos da região do Cariri. Na ocasião, a empresa I&T Gestão de Resíduos apresentou sua metodologia de trabalho, a ser aplicada em 23 municípios que compõem a Bacia do Rio Salgado. O projeto tem como objetivo, ajudar os municípios a definirem as suas soluções para manejar os resíduos com coletas seletivas, indo além da separação de lixo e embalagem. A empresa apresentou um plano de trabalho que inclui os resíduos orgânicos, da construção civil, podas, material volumoso, eletroeletrônicos, tudo tratado de forma separada. Uma solução apresentada pela empresa é a política pré-aterro, que evita descartar resíduos em aterros ou lixões, de forma a reciclar os resíduos e impulsionar o trabalho de catadores, associações e cooperativas.

Na ocasião, Sidney Kal-Rais afirmou que a iniciativa do Governo do Estado vem agregar positivamente para o município no que se refere à construção de políticas públicas para tratar dos resíduos sólidos, “pois ajudará a cidade a organizar uma oficina para diagnosticar, quantificar e qualificar as tipologias de resíduos gerados em Juazeiro do Norte”.

Dados
Juazeiro do Norte ocupa uma área de 249 km², e sua população é de 270 383 habitantes, segundo estimativas 2017 (IBGE), que o torna o terceiro mais populoso do Ceará (depois de Fortaleza e Caucaia), a maior do interior cearense e a 102ª do Brasil. Juazeiro do Norte é um dos municípios de maior população do interior do Nordeste ocupando o sétimo lugar. Sua taxa de urbanização é de mais de 95%, e cerca de 30% do seu território é de área urbana. Apesar disto, suas terras são férteis e se aproveitam da irrigação dos rios Carás, perenizado a partir do Açude Thomás Osterne, em Crato, e Rio Salgadinho.

O setor secundário corresponde a 29,84% do PIB local. Existe uma política de atração de investimentos formando parcerias entre estado, município e empresários, vários benefícios são concedidos, como doação de terrenos, preferencialmente no Distrito Industrial – localizado próximo às divisas com os municípios de Crato e Barbalha, e no minidistrito Industrial – localizado no Bairro Campo Alegre, como também incentivos fiscais
O setor terciário, principal setor da economia juazeirense, respondendo por 80% do PIB municipal (dados do IPECE).

Os principais pontos comerciais são o centro da cidade, Cariri Shopping, Juazeiro Open Mall, bairro Pirajá e bairro Pio XII. Encontra-se em construção o Juazeiro Shopping Center que permitirá um maior desenvolvimento comercial na Região Leste da cidade, mais precisamente nas confluências dos Bairros Novo Juazeiro, Tiradentes e Limoeiro. Destaca-se tanto no varejo quanto no atacado, atraindo compradores de municípios e estados vizinhos, devido à sua condição de centro regional.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter