sábado, 24 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Apoio jurídico

sexta-feira, 24 de maio 2019

Imprimir texto A- A+

 

Muitas vezes em algumas pessoas até surge a vontade de adotar uma criança ou adolescente, mas a maioria não sabe nem por onde começar esse processo que geralmente é demorado e burocrático em razão de envolver a vida de crianças que já passaram pela dor do abandono. Em Fortaleza, há dois grupos de apoio à adoção, Acalanto e Rede Adotiva. Ambos têm um objetivo incomum: contribuir para que cada criança ou adolescente tenha uma família. Para isso, dão apoio aos pretendentes, tanto no que diz respeito as informações necessárias ao processo de adoção quanto na contribuição junto ao Poder Judiciário na participação de cursos preparatórios.

Um dos braços de apoio que os dois grupos oferecem de forma semelhante é o jurídico. Para a vice-presidente da Acalanto, Vanessa Castro, “a orientação jurídica por meio de advogados que são voluntários ajuda na celeridade do processo. Atualmente, demoramos em torno de uma semana para entrar com um pedido de guarda, por exemplo, que tem saído em no máximo dez dias. É um trabalho muito importante para a nossa rede”.

A Acalanto possui sete advogadas, todas atuam de forma voluntária sob a coordenação de Marine Barros. “O nosso trabalho tem sido orientação jurídica e esclarecimento de dúvidas. Os pretendentes nos procuram antes de fazer o requerimento para a habilitação com dúvidas com relação a esse procedimento, principalmente os documentos e onde fazer esse pedido. Todas as dúvidas relacionadas aos prazos, após a habilitação e como funciona o processo de adoção em si. Atendemos de forma dinâmica, em alguns casos fazemos encontros presenciais para a solução de dúvidas em outros atendemos via telefone, e-mail ou whats’up”, disse a advogada.
“O trabalho do jurídico é muito importante na disseminação das informações, pois há pretendentes que realmente não sabem como proceder e desconhecem completamente o trâmite processual de uma adoção, logo, o jurídico orienta para que eles se sintam mais confiantes”, disse a presidente da Rede Adotiva, Edinete da Costa Lima.

Atualmente, a Rede possui 22 voluntários e duas advogadas que também atuam no esclarecimento de dúvidas. Neste ano, criou um projeto inovador em Fortaleza para prestar assistência aos adotantes não somente antes da adoção ocorrer, mas depois. “Há todo um trabalho a ser feito com os pretendentes, mas e quando a adoção ocorre, como fazer? Por isso pensamos em implementar um projeto que promovesse encontros de pais e filhos pós-adoção ou então com guarda provisória para realmente fortalecer o vínculo e não haver desistências”, explicou.

Trata-se do projeto “Amor Maior” executado sob a coordenação do setor de psicologia da Rede. “O que queremos é que essas crianças, ao saírem das instituições de acolhimento permaneçam em uma família. Já participaram pais conosco que estavam prestes a desistir em razão das dificuldades normais do processo de adoção e não o fizeram porque conseguiram perceber que aquelas dificuldades são normais e que vão passar”, disse Edinete.
O projeto “Amor Maior” promove encontros mensais. O próximo ocorrerá dia 25 de maio com dez adotantes e seus filhos do coração.

INFORMAÇÕES
Acalanto Fortaleza – https://www.acalantofortaleza.com.br – Instagram: @acalantofortaleza – Facebook Acalanto Fortaleza – E-mail: ongacalantofortaleza@gmail.com
Rede Adotiva – Facebook Rede Adotiva. E-mail: redeadotiva@gmail.com

 

CRISLEY CAVALCANTE
Jornalista

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter