26 C°

segunda-feira, 29 de maio de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

As ruas de Fortaleza ganharam mais bicicletas e a cidade um novo olhar

quarta-feira, 13 de abril 2016

Imprimir texto A- A+

Andar de bicicleta é desacelerar do mundo e aguçar a percepção. A cada parada, uma oportunidade de observar lugares, quase nunca percebidos na pressa do dia a dia. É ir mais longe, conhecer novos caminhos. Em Fortaleza, os passeios de bicicletas tornaram-se hábitos e cada vez mais, ganham novos adeptos, que além da busca pela prática do esporte, estão utilizando como forma de explorar a cidade.
Com 148,5 quilômetros de infraestrutura cicloviária na cidade, o modal já se firmou como meio alternativo de transporte.

Contribui com a redução dos gases que provocou o efeito estufa e ainda com a mobilidade urbana. Do total, 85,2 quilômetros são de ciclovias e 63,3 quilômetros de ciclofaixas.
Aos domingos, as ciclofaixas de lazer passaram a ser uma opção de divertimento, sozinho ou em grupo. O trajeto contempla pontos turísticos e históricos de Fortaleza, como a Praça dos Mártires, a Praça do Ferreira, o Forte Nossa Senhora da Assunção, a Praia de Iracema, entre outros, até chegar ao Parque do Cocó.

O vendedor Paulo Furtado começou a pedalar acompanhando grupo de amigos. Depois, passou a utilizar a bicicleta com mais frequência, transformando-a no seu principal meio de transporte. Ele conta que o modo como observa a cidade mudou. Por morar no Conjunto Ceará, redescobriu o centro da cidade nos passeios de bike. “Acostumado a ver o Centro lotado de gente, aquela loucura nas lojas, depois que comecei a fazer as rotas de lazer, pude ter uma outra visão. Tem os pontos já conhecidos, como a Praça do Ferreira, o Mercado Central, mas, com os passeios aos domingos, reparei melhor nos prédios históricos, no Parque das Crianças. Temos uma cidade linda, e quase não notamos”, falou.
Segurança

A psicóloga Thaís Azevedo, mora na Barra do Ceará, mas, desde que criou o hábito de pedalar, vai com amigos até a estação de bicicletas compartilhadas, na Avenida Bezerra de Menezes, onde seguem até a Avenida Beira Mar. “Eu andava muito pouco por esses lugares, quase não ia à Beira Mar, e depois que peguei o costume de andar de bicicleta, vou sempre. Hoje, com as ciclofaixas, me sinto mais segura”, disse, apesar de reclamar por não ter ainda as ciclofaixas em seu bairro.
A amiga, Iara Lyandra conta que começou a pedalar ainda criança. “Andar de bicicleta era minha brincadeira preferida, mas fui crescendo e tive que deixar de lado esse prazer, que era pedalar, por conta da violência, principalmente por ser mulher, e pela cidade não ser adaptada para ciclistas”, disse a universitária.

Hoje, com o aumento da implantação das ciclofaixas, Iara sente-se mais segura em realizar os passeios. “Grande parte das ruas agora são adaptadas, têm vários pontos de bicicletas nos bairros mais movimentados. Na Beira Mar é por onde mais gosto de passear. Acho mais tranquilo, tanto para andar como para apreciar”, falou.

outros destaques >>

Facebook

Twitter