terça-feira, 17 de setembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Ceni busca respaldo para mudar Cruzeiro; medalhões em xeque

terça-feira, 10 de setembro 2019

Imprimir texto A- A+

Rogério Ceni prometeu mudanças no Cruzeiro em uma entrevista bastante sincera após a derrota para o Grêmio. Em busca de competitividade, o técnico não falou abertamente o que quer fazer. No entanto, deu o recado à diretoria por meio da imprensa: fará alterações na escalação e na forma de atuar. O treinador evitou detalhes, mas deve barrar medalhões nos próximos compromissos.

Edilson, Thiago Neves, Robinho e Fred são alguns dos nomes que estão na berlinda. O técnico está disposto a afastar alguns veteranos do elenco para fazer trabalho físico e voltar a usá-los somente mais à frente. Com a ideia de diminuir a ofensividade da equipe num momento de transição, os quatro atletas, que tiveram papéis relevantes com Mano Menezes, podem ser afastados no decorrer de 2019.

O ex-técnico do Fortaleza pensa em tirar os atletas do time para dar mais velocidade ao setor ofensivo. Ele também pensa em se resguardar mais em relação à tática. A formação com Robinho como volante, em princípio, está descartada. É possível que volte a usar Ariel Cabral e Henrique no meio-campo, dupla constantemente usada por seu antecessor.

Ainda sem dar detalhes sobre seus ajustes, o treinador, de todo modo, admite que a sua intenção de imediato é promover alterações diversas. Para tanto, deixa claro que necessita de respaldo do departamento de futebol. “Teremos que fazer um time mais forte e competitivo. Para esse momento, para não passar situações desagradáveis como essa [a goleada sofrida em Belo Horizonte], teremos que ter um time mais competitivo”, declarou.

“Não adianta vir aqui e dar declarações para depois se arrepender. Temos que fazer algumas mudanças. Não é tirar ou afastar, mas alterar o comportamento. Talvez fazer uma intertemporada para alguns atletas. Talvez tenhamos que mudar a maneira de jogar. Por mais que goste de futebol ofensivo e de qualidade de jogo, eu preciso mudar. Talvez seja a hora de mudar a forma de jogo, preparar por 12, 13, 14 dias os jogadores do Cruzeiro. Está na hora de mudar um pouco para ter melhores resultados até o fim do ano”, acrescentou.

Cadê a grana?
A derrota sofrida para os gremistas, aliás, escancarou de vez vários problemas internos no clube celeste. Um deles, a irritação com os atrasos salariais. Perguntado sobre o assunto após a goleada sofrida, o goleiro Fábio, um dos maiores ídolos do clube, disse de maneira seca: “isso aí você tem que perguntar para a diretoria”.

A diretoria do Cruzeiro não tem os recursos necessários para quitar os atrasados com o elenco. Com a queda na semifinal da Copa do Brasil, a diretoria não dispõe de receita programada até dezembro, quando receberá a premiação do Campeonato Brasileiro e a última parcela da venda de Giorgian De Arrascaeta ao Flamengo.

Sem dinheiro em caixa, o clube encontra dificuldades para honrar os compromissos e aumenta a dívida com o plantel. Até o momento, somente parte dos salários de julho foi paga. Os vencimentos de agosto não foram quitados. Marcelo Djian, diretor de futebol do clube mineiro, confirma que o clube não tem dinheiro em caixa neste momento para quitar os atrasados.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter