domingo, 18 de novembro de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Leão desfalcado, mas em alerta no Maranhão

sexta-feira, 14 de setembro 2018

Imprimir texto A- A+

Não há escolha para o Fortaleza. Só a vitória interessa ao clube do Pici. Desespero? Não há. O time é líder da Série B do Campeonato Brasileiro desde as primeiras rodadas e, falando de G-4, não há razão para ligar o alerta vermelho. Pelo menos até a bola rolar. O segundo colocado, CSA, já entrou em campo pela 27ª rodada e foi derrotado pelo Vila Nova, em Alagoas, por 2 a 1, ou seja, é um concorrente direto que ficará estagnado. Entretanto, clubes como Atlético-GO, o próprio Vila Nova, além de Goiás, Avaí estão sedentos por pontos para subirem ainda mais na classificação.

O técnico Rogério Ceni e seus comandados enfrentam uma forte turbulência na Segundona. São três partidas sem triunfar, sendo duas derrotas e um empate, diante de Goiás, Criciúma e Figueirense, respectivamente, situação que fez o Tricolor de Aço queimar toda sua gordura acumulada ao longo da competição. A diferença, que chegou a ser de seis pontos, está em apenas um. Portanto, como dito antes, a necessidade de vencer logo mais, às 21h30, no Estádio Castelão, em São Luís, no Maranhão. O adversário da vez? Ninguém menos que o extremo oposto na tabela, o Sampaio Corrêa, que, com 22 pontos, amarga a última colocação.

O grupo leonino deixou a capital cearense com apoio total e irrestrito de boa parte de sua torcida, que foi ao Aeroporto Internacional Pinto Martins passar positividade e incentivo aos jogadores e finalizou o treinamento em solo maranhense, na Associação dos Funcionários da Caixa (APCEF). Lá, Ceni pôde fazer os ajustes necessários para remontar a equipe que enfrentará a Bolívia Querida, já que terá vários desfalques. Aliás, baixas no time tem sido praticamente uma rotina na vida do comandante tricolor.

Baixas
O meio de campo é o setor mais preocupante, com os volantes Nenê Bonilha e Jean Patrick e o meia Marlon indisponíveis por conta de lesões O trio era titular absoluto de Rogério Ceni. Bonilha e Marlon estão com problemas na coxa, enquanto Patrick sofre com fortes dores no púbis e deve ficar longe dos gramados por um longo período.
Além deles, os volantes Igor Henrique e Pablo, peças que geralmente aparecem na suplência, porém são importantes na composição do elenco, foram expulsos na última partida.

O zagueiro Diego Jussani recebeu o terceiro cartão amarelo em Santa Catarina e também fica de fora. Com tantas ausências, o treinador preferiu não confirmar suas escolhas, mas deve manter o sistema tático que vem funcionando nas últimas rodadas, apesar de vir de uma derrota por 2 a 0 para o Criciúma, no Estádio Heriberto Hülse.
Na zaga, quem deve ganhar uma nova oportunidade é Roger Carvalho, que passa a formar dupla com Ligger. Marcelo Boeck, Tinga e Bruno fecham o setor defensivo. Na faixa central, Derley reassume a condição de titular comporá o quarteto de meio-campo com Felipe, Dodô e Wallace. Este último preenche a lacuna deixada por Marlon, que não enfrentará seu ex-clube. No ataque, o veloz Marcinho e o artilheiro Gustavo completam a equipe que buscará a reabilitação no campeonato nacional.

Confiança
O volante Derley acredita que o confronto diante do Tricolor de São Pantaleão será duríssimo, mas a vitória é imprescindível para o Leão. “A expectativa é a melhor possível, não só de minha parte, mas para todo o grupo. Sabemos de toda a importância que tem essa partida diante do Sampaio, porque necessitamos voltar a vencer e nada melhor que ganhar numa condição dessa, que nos devolveria a vantagem e nos deixaria de novo em situação favorável na tabela, abrindo vantagem para o segundo, para o quinto. Será um jogo complicado, não tenha dúvidas, difícil, mas são nesses momentos que o nosso grupo cresce, que a gente se fortalece mais ainda, então essa partida acaba sendo a mais importante para nós no ano”, explicou.

O camisa 8 fez questão de valorizar o esforço do torcedor em ir ao aeroporto demonstrar apoio ao elenco. “O torcedor se conscientizou de que é o momento de estar junto conosco. Sabemos que a torcida cobra, se chateia cada vez que o bom resultado não vem, o que é normal porque a gente também sente isso, o jogador sente quando não consegue ganhar, mas esse apoio deles é fundamental e a gente só tem a agradecer, essa motivação extra, essa energia positiva, tudo isso é favorável. Serão 12 finais pela frente e é o momento crucial, o mais importante para jogador, torcedor e é preciso união para conquistar os nossos objetivos”, concluiu.

Sampaio espera apoio da torcida no Castelão

A união pode fazer a diferença para o Sampaio Corrêa nessa reta decisiva da Série B, tanto dentro de campo quanto nas arquibancadas. O grupo tricolor se fechou para reverter o quadro negativo e espera contar com o apoio maciço da torcida nas partidas no Estádio Castelão.
Maracás está suspenso, mas é uma das referências do elenco, e faz questão de agir no dia a dia, durante os treinos, como se fosse entrar em campo. Remanescente da equipe que conquistou o acesso, ano passado, o zagueiro sabe a importância do torcedor neste momento da competição: “A torcida do Sampaio é grande e pode ser um diferencial nessa hora. Sei que podemos sair dessa situação, vamos fazer de tudo para que isso aconteça. Espero que o nosso torcedor abrace o time e mostre a sua força também”, declarou.
Fernando Sobral é outro jogador que já viu de perto o Castelão lotado, e espera que a cena possa se repetir nas próximas rodadas: “Sei que a nossa fase não é boa, e isso acaba afastando um pouco a torcida, mas é nessa hora que mais precisamos do apoio deles. O grupo está fechado, queremos muito dar uma resposta a quem já nos vê como rebaixados, e vamos nos desdobrar em campo para escapar dessa situação incômoda”, afirmou o meia Tricolor.
Andrey já esteve do lado contrário, enfrentando o Sampaio diante de um Castelão completamente abarrotado, e agora quer usar a força do universo Tricolor a seu favor: “Fiquei maravilhado com a torcida do Sampaio, e, como já disse antes, foi um dos fatores que me trouxeram para cá. Estamos vivendo um momento ruim, mas ninguém entregou os pontos. Vamos lutar muito e queremos que o nosso torcedor esteja ao nosso lado, acreditando até o fim. O Castelão cheio pode fazer a diferença nessa reta final”, destacou o camisa um boliviano.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter