sábado, 16 de fevereiro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Presidente da confederação de surfe é afastado e deve sofrer impeachment

segunda-feira, 11 de fevereiro 2019

Imprimir texto A- A+

O Noroeste

Presidente da CBSurfe (Confederação Brasileira de Surfe) desde sua função, em 1998, Adalvo Argolo tenta resistir como pode, mas deve ser derrubado do cargo nas próximas semanas.

Na última sexta-feira (8), representantes de sete federações estaduais se reuniram no Rio de Janeiro e decidiram pelo afastamento temporário do cartola baiano.

Ele terá 15 dias para apresentar defesa no processo, semelhante a um impeachment. Entre os argumentos das federações está o fato de que desde 2016 o presidente não presta contas, de forma que os conselheiros fiscais da confederação jamais se reuniram.

Argolo não reconhece a legalidade do encontro e vem tomando uma série de medidas para se agarrar ao cargo. Mas o baiano perdeu o apoio daqueles que, há mais de 20 anos, garantem sua permanência na presidência da CBSurfe: os seus colegas de federações do Nordeste.

Foi exatamente um embate entre as seis entidades do Sul/Sudeste e as nove do Nordeste que criou a CBSurfe, sempre com seus vizinhos tendo maioria. Agora, porém, Argolo perdeu esse apoio. Estavam presentes na assembleia da última sexta representantes de Alagoas, Sergipe, Ceará e Pernambuco.

É o pernambucano Geraldo Cavalcanti, o Geraldinho, presidente da ANS (Associação Nordestina de Surfe), antes seu principal apoiador, quem agora lidera o processo que deve derrubar Argolo. Os surfistas profissionais também estão contra ele.

Por duas décadas o baiano se manteve na presidência de uma confederação que foi perdendo relevância no cenário esportivo nacional, organizadora apenas de competições amadoras no Nordeste, com atuação quase nula no Sul/Sudeste, de onde sai a maioria dos surfistas profissionais brasileiros.

Desde o ano passado, porém, a CBSurfe recebe recursos da Lei Agnelo/Piva, o que jogou luz sobre a gestão amadora de Argolo e, ao mesmo tempo, tornou o cargo dele mais concorrido.

No fim do ano passado, o vice-presidente da CBSurfe, Guilherme Pollastri, buscou diversas vias para tentar afastar Argolo. Teve sucesso na Justiça do Distrito Federal, que determinou o afastamento do presidente em dezembro.

Pollastri assumiu, mas não teve acesso de fato aos documentos da confederação, sediada em um imóvel da esposa de Argolo, conforme revelou o blog Olhar Olímpico, do UOL Esporte -esta, inclusive, é uma das causas do pedido de afastamento.

No mês passado, uma desembargadora derrubou a liminar e devolveu o poder ao baiano.

Na sexta, ciente da assembleia que ocorreria no Rio, Argolo deu também sua cartada. Um suposto STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da confederação, até então inexistente, suspendeu preventivamente o vice, “por reiteradas violações ao estatuto da CBSurfe”. “Essa é a única notícia válida do dia”, informa o site da confederação.

“Fui eleito democraticamente e continuarei trabalhando com afinco inabalável até o final do meu mandato em 2020. Enquanto isso, Guilherme desperdiçou seu tempo com mais uma de suas ‘aventuras irresponsáveis’, fora da legalidade, como de costume, dando sequência a uma reunião sem pé nem cabeça”, comentou Argolo.

A batalha jurídica parece estar apenas começando. Na ata da assembleia, as federações fizeram questão de ressaltar que a CBSurfe não informa quais entidades estão, ou não, com as obrigações de filiação em dia. Um dos caminhos para Argolo é argumentar que as federações reunidas não têm poder de voto.

O presidente da CBSurfe também deve argumentar que a assembleia de sexta não tem validade por ter sido convocada por Pollastri, durante uma presidência que Argolo não reconhece.

Já os que tentam destituir Argolo argumentam não apenas que ele utilizou recursos públicos para alugar um imóvel da esposa -ao blog Olhar Olímpico ele disse não saber que não podia-, mas que também não consultou a assembleia sobre receber um salário mensal de R$ 22 mil, bancados pela Lei Agnelo/Piva. A informação pegou as federações de surpresa.

O cartola ainda é criticado por não ter levado a seleção brasileira para os ISA Games, uma espécie de Campeonato Mundial de Surfe Amador. Na época, no meio do ano passado, ele recusou apoio do COB, porque fazia questão que a CBSurfe, então impedida, realizasse ela mesma as compras das passagens. Sem estrutura, a confederação não conseguiu executar o plano.

Em longa nota enviada à reportagem na manhã desta segunda-feira (11), cheia de ataques a Pollastri, Argolo zomba da assembleia, à qual afirma não reconhecer.

Entre as razões apresentadas para tanto, Argolo diz que, como presidente, tem a prerrogativa de cancelar uma assembleia, mesmo que convocada para derrubá-lo. Da mesma forma, somente ele poderia comandar uma assembleia.

Na nota, ele não contesta nenhuma das acusações, enquanto acusa Pollastri e ameaça processar o vice-presidente e as federações que participaram da assembleia.

“Vejam que Guilherme agiu com aquela costumeira ‘esperteza e malandragem’ que ele julga serem acima da média”, diz em um trecho da nota, criticando o fato de Pollastri não assinar a ata e não aparecer nas fotos da reunião.

DA REDAÇÃO DO ESTADO ONLINE
[email protected]
Fonte: Folha Press

Mais conteúdo sobre:

Presidente impeachment confederação de surfe Adalvo Argolo

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter