domingo, 25 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Zé Ricardo é o escolhido para substituir Ceni no Leão

terça-feira, 13 de agosto 2019

Imprimir texto A- A+

Sem Rogério Ceni, que se despediu do Fortaleza e assumiu o comando do Cruzeiro, o clube do Pici acertou com o substituto: Zé Ricardo. O anúncio oficial foi feito na tarde de ontem, por meio das redes sociais e do site tricolor. O nome do novo comandante já era especulado desde a saída de Ceni e era considerado o plano A por parte da direção do Leão. Como já se sabia internamente da grande possibilidade de mudança no comando técnico após conversas com o então treinador, o contato com Zé foi estabelecido e, partir de então, o negócio iniciou. Não demorou muito para que as partes chegassem a um denominador comum e ficassem em compasso de espera, seguindo o protocolo, aguardando a sequência de fatos acontecerem.
Zé Ricardo, de 48 anos, está livre no mercado desde meados de abril desta temporada, quando deixou o Botafogo, após oito meses de trabalho. Em General Severiano, foram 17 vitórias em 41 partidas. Ele também havia passado pelo Vasco, entre agosto de 2017 e junho de 2018, acumulando 22 triunfos em 50 jogos. Antes ainda, entre 26 de maio de 2016 e 6 de agosto de 2017, foi o responsável por dirigir o Flamengo. Ao todo, foram 47 vitórias, 25 empates e 17 derrotas, além do título estadual de 2017.

Auge
No Rubro-negro, foi quando o técnico, ainda desconhecido e responsável pela categoria sub-20 do clube, teve a primeira grande oportunidade da carreira. Após a demissão de Muricy Ramalho, que àquela época sofria com problemas médicos e não fazia um grande trabalho, Zé Ricardo assumiu, de forma interina, e acabou conquistando a confiança de elenco, direção e torcida. A conquista do Carioca de maneira invicta deu solidez ao trabalho e o que devia ser um trabalho apenas passageiro acabou se tornando algo efetivo.
Na disputa do Campeonato Brasileiro de 2016, o Fla entrou com um dos favoritos e protagonizou uma disputa acirrada ponto a ponto com o Palmeiras, de Cuca, pelo título. A chegada do meio-campista Diego deu ainda mais força ao time, que encorpou e chegou à reta final da competição com grandes chances de gritar “é campeão”, porém alguns tropeços deixaram o Mengão atrás do Verdão, que viera a erguer a taça, com o Santos chegando em segundo.

Zé iniciou a temporada de 2017 com prestígio na Gávea, mas, aos poucos, foi caindo em desgraça e sendo engolido pela enorme pressão da torcida rubro-negra. A pouca experiência, a vontade de alguns conselheiros em ter um treinador com mais respaldo para comandar um elenco caro, além de resultados que faziam o clube não conquistar títulos importantes fizeram com que o comandante não resistisse a uma derrota para o Vitória, na Ilha do Governador, em 6 de agosto daquele ano. Jayme de Almeida seguiu como técnico interino, enquanto o colombiano Reinaldo Rueda era contratado.

Pulou muro
Fazendo um caminho inusitado, o jovem treinador – que foi convidado a permanecer no Flamengo comandando novamente as categorias de base, mas recusou por querer seguir a carreira entre os profissionais – assumiu o comando do rival Vasco. no Gigante da Colina, Zé Ricardo conseguiu fazer o que poucos esperavam e acreditavam: tirar o time do perigo do rebaixamento e levá-lo à Libertadores.

Aos trancos e barrancos, já em 2018, a equipe cruz-maltina superou a etapa inicial (pré-Libertadores) da competição intercontinental, mas acabou não indo bem na fase de grupos, ficando em terceiro lugar na chave, não avançando ao mata-mata. Em junho, alegando problemas pessoais, o treinador solicitou desligamento de São Januário, pegando a todos de surpresa, mas deixando ótima impressão no clube.
Poucos meses depois, em agosto para ser mais preciso, o Botafogo anuncia Zé Ricardo, o terceiro grande clube – e carioca – na ainda curta carreira do treinador. O objetivo inicial é alcançado e o risco de rebaixamento é eliminado por um bom trabalho do técnico. Entretanto, em 2019, os resultados não foram positivos e a pressão recaiu sobre seus ombros. Em abril, após perder para o Juventude, em Caxias do Sul, e ser eliminado da Copa do Brasil, Zé deixou o comando alvinegro e, ao desembarcar no Rio, foi xingado e hostilizado por um grupo de torcedores do Fogão, em uma cena que chocou a todos. O treinador estava sem seguranças e por pouco não foi agredido, porém não reagiu.

Chegada
Zé Ricardo tem chegada prevista ao Parque dos Campeonatos nesta terça-feira para iniciar o projeto. O vínculo do novo treinador com o Fortaleza é curto, até o fim da disputa do Campeonato Brasileiro, ou seja, até dezembro de 2019, quando as partes sentarão e avaliarão o desempenho.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter