domingo, 16 de junho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Buracos e alagamentos: chuvas em Fortaleza

quinta-feira, 13 de junho 2019

Imprimir texto A- A+

O mês de junho, historicamente, não é considerado chuvoso no Ceará, já que, na teoria, a quadra chuvosa não mais prevalece nesta época. Embora tudo isso seja basicamente senso comum, o que está se vendo na prática é outro cenário. Fortaleza conviveu, nos últimos dias com fortes pancadas de chuva, pegando grande parte da população desprevenida. As precipitações começaram à noite, na última terça-feira, gerando inúmeros pontos de alagamento e originando um verdadeiro caos no trânsito já complicado da Capital. Todavia, os transtornos estavam apenas começando.

O enorme volume d’água que desabou sobre a Cidade seguiu gerando transtornos e deixando o fortalezense sem saber o que pensar, cheio de dúvidas e preocupações. As chuvas, que resultaram em quase 100 milímetros (da noite de terça até a manhã de quarta), abriram uma enorme cratera no bairro Meireles, deixando a área com o trânsito praticamente parado, com motoristas buscando rotas alternativas.
De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinf), um pequeno reparo na drenagem da região estava em fase de conclusão na Avenida Abolição, porém a chuva acabou causando problemas. “É uma obra que já tinha finalizado, uma drenagem que cruza a Avenida Abolição e a Rua Tibúrcio Cavalcante. Esse ponto, quando chove, costuma ter acúmulo de água, porque é uma inclinação. Fizemos a obra, a recomposição de pavimento e não havia nenhum buraco nem desvio”, explicou Manuela Nogueira, titular da Seinf.

“Na terça à noite, estava programado fazermos a última etapa que era o asfalto, mas, devido às precipitações, não conseguimos concluir e foi a noite toda de chuva, que carregou toda composição do material superficial do pavimento. Foi a chuva com velocidade descendo pela Tibúrcio Cavalcante que abriu o buraco. Mas, o pavimento já foi recomposto e todo o trecho vai estar liberado”, completou a secretária.
Antes do meio-dia, máquinas já trabalhavam a todo vapor no cruzamento para tapar a vala aberta após as chuvas e, consequentemente, sanar o problema. Menos de 12 horas após o buraco ser aberto, o conserto foi totalmente concluído, com o tráfego de veículos na região sendo liberado em seguida.

Alagamento
Se a vala aberta pela água que se avolumou no Meireles surpreendeu, o mesmo não se pode dizer de quem passou pelo Túnel Eduardo Dourado da Fonte, na Avenida Borges de Melo, que ficou inundado, impedindo o fluxo dos automóveis pela região. Já na madrugada, a passagem foi interditada após pelo menos quatro veículos ficarem ilhados, presos na água.
“Eu moro aqui, ao lado do túnel, e posso garantir que foi de uma hora para outra esse alagamento. A água subiu bem rápido e já se sabia que causaria problema, até porque não é a primeira vez que acontece isso. Teve carro quase colidindo com outros, por frear de uma vez ao ver a quantidade d’água a frente. É um perigo isso, como uma obra nova dessa retém tanta água, não tem escoamento?”, disse Luiz Gonçalves, residente da área.

Trânsito
As fortes precipitações formaram inúmeros pontos de alagamento pela cidade e, com isso, o tráfego acaba se tornando lento e extenso em várias partes da capital cearense. Avenidas como Pontes Vieira, Dionísio Leonel Alencar, José Bastos, Heráclito Graça, dentre outras, registraram engarrafamentos enormes. Os agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) tiveram grande trabalho para evitar que os transtornos fossem ainda maiores.

Chuvas intensas fora do período

De acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), as precipitações já eram aguardadas e estão associadas à atuação de um Distúrbio Ondulatório de Leste (DOL), que é um sistema indutor de chuvas que costuma formar-se neste período de Pós-Estação. As áreas de instabilidade geradas avançaram do oceano Atlântico em direção ao continente. A tendência para hoje é de nebulosidade variável com chuva isolada (precipitações de 20% a 50% da área) também no centro-Norte. Na região sul do Estado, há possibilidade. Entre terça e quarta-feira, a Funceme registrou chuvas em, pelo menos, 48 municípios. Os principais acumulados foram em postos pluviométricos de São Gonçalo do Amarante: Croatá (114 mm) e Sede (109 mm).

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter