terça-feira, 16 de julho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Casa da Gestante é inaugurada em Fortaleza e já está funcionando

sexta-feira, 05 de maio 2017

Imprimir texto A- A+

A Casa da Gestante, Bebê e Puérpera (CGBP) da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (Meac) foi inaugurada, oficialmente, ontem. Há 15 dias, o espaço recebeu a primeira usuária, e já abriga três mulheres e um bebê. A iniciativa tem o objetivo de atender as mães e seus recém-nascidos, que demandam de atenção diária, mas que não exigem vigilância constante em ambiente hospitalar.

De acordo com a coordenadora técnico-administrativa da Casa da Gestante, Karla Abreu, o espaço tem a capacidade de abrigar 15 mulheres, gestantes ou puérpera e sete bebês. A principal expectativa é desafogar os leitos de alto risco da Meac. “A Casa da Gestante oferece apoio e acolhimento às mulheres gestantes e puérperas e seus bebês, principalmente, aquelas que moram no interior e estão no hospital, que não necessita de um leito de alto risco, mas precisam de cuidado. Para não ocupar um leito de alto risco, elas vêm para Casa da Gestante. Nossa principal missão, além de acolhimento humanizado, é de melhor a utilização de leitos de alto risco da Maternidade-Escola”, explicou.

Acolhimento
Os usuários são acompanhados por uma equipe de enfermeiros, técnicos em enfermagem, médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e outros profissionais em escala de plantão ou sobreaviso. Conforme a coordenadora, os usuários e os bebês podem ficar abrigados pelo tempo que for preciso.
É o caso da Antônia Nayara, 22, que está na Casa da Gestante há 15 dias. Ela conta que, devido à sua filha ter nascido com má-formação, precisou ficar internada na unidade neonatal da Meac. Por morar distante da Capital, no município de Monsenhor Tabosa, Antônia está na Casa da Gestante.“Não tenho condições de ir e voltar, porque para Monsenhor Tabosa é cerca de cinco a seis horas de viagem, e aqui tem muito suporte. Eles fazem de tudo por nós, são muito legais. Não fosse a Casa da Gestante não posso nem imaginar onde eu estava, porque voltar para casa, para mim, seria muito dolorido”, disse emocionada.

A bebê de Antônia não tem previsão para sair do hospital. A Casa da Gestante fica aberta para visitas de segunda à sexta-feira, de 9 às 20 horas, e aos sábados, domingos e feriados, de 9 às 19 horas. Assim como Antônia, as demais usuárias que chegarem à Casa, têm toda a liberdade para ir e voltar, cozinhar, assistir TV ou lavar suas próprias roupas.
A Casa fica a 300 metros da Meac. O imóvel foi alugado e adaptado. Para começar a funcionar, foi realizada uma campanha de doações de mobílias, eletrodomésticos e demais artigos do lar. Todos os itens foram doados por pessoas físicas, jurídicas e empresas cearenses. De portas abertas, as usuárias e os bebês têm todo o conforto de um lar, com quatro quartos decorados e mobiliados, sala de estar, cozinha, banheiros e ampla varanda.
De acordo com Karla Abreu, a Casa faz parte de um projeto do Ministério da Saúde, dentro da política pública, Rede Cegonha. Todo mês, receberá um custeio para manutenção. A limpeza e as refeições serão feitas pelas próprias usuárias.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter