32 C°

domingo, 17 de dezembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Defensoria pede paralisação de obra de adutora no Pecém

quarta-feira, 06 de dezembro 2017

Imprimir texto A- A+

A Defensoria Pública do Estado do Ceará (DPE/CE) e a Defensoria Pública da União (DPU) ajuizaram uma ação civil pública (ACP), com pedido liminar, visando à anulação do licenciamento da obra de ampliação de adutoras (canais de derivação) conexas ao Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), com a paralisação da execução das obras do empreendimento.

A Defensoria aponta a existência de inconsistências no procedimento que culminou com a liberação de alvará para execução das referidas obras em uma Área de Proteção Ambiental (APA do Lagamar do Cauípe, criada em 1998), sem que fossem sequer produzidos estudos de impacto ambiental, avaliação social das comunidades tradicionais que estão no trajeto, bem como a consulta prévia aos povos indígenas que tradicionalmente habitam e fazem uso da área do Lagamar do Cauípe, de onde será extraída a água para o abastecimento dos empreendimentos do CIPP. A comunidade indígena Anacé habita a região desde os séculos XVII e XVIII.

De acordo com a defensora pública Sandra Moura de Sá, supervisora do Núcleo de Direitos Humanos e Ações Coletivas, “a população do distrito de Capuan, em Caucaia, estava aflita com essas obras e nos apresentou esta demanda durante o Defensoria em Movimento, no dia 23 de novembro, realizado no município.

Logo que tomamos conhecimento, abrimos procedimento administrativo preparatório e participamos de uma audiência pública na Assembleia Legislativa onde colhemos mais informações.

A DPU também já tinha recebido a demanda dos povos indígenas daquela região. Nossa preocupação é que o poder público não esteja, em um período de seca, dando a devida prioridade da utilização da água para o consumo humano. Então, entendemos ser bastante temeroso você drenar a água, que é fonte de sobrevivência de todas estas comunidades, e direcioná-la para um complexo industrial. Por conta disso, em conjunto, ingressamos com esta ação visando à paralisação das obras até que o Governo do Estado comprove todos os estudos de impactos ambientais e faça contato com as comunidades”, destaca.

Estima-se que 27 comunidades serão impactadas de forma direta pelas obras de ampliação de canais de derivação, dentre elas as comunidades tradicionais de Barra do Cauípe, Coqueiros, Cristalina, Pitombeira e Pirapora. “Em face do alcance do projeto, é necessária uma discussão séria e clara sobre os efeitos da obra no cotidiano dos moradores do local”, declarou o defensor regional de Direitos Humanos da DPU-CE, Alex Feitosa.

Um dos maiores problemas apontados pelos moradores é a possibilidade de escassez de água. Também são motivo de questionamento as garantias de manutenção das atividades econômicas destas comunidades, como a agricultura de subsistência, a pesca artesanal, a extração da madeira e o artesanato, que se veem ameaçadas com a previsão das vazões a serem retiradas.

“A motivação principal para a concessão de autorização ambiental aos empreendimentos do Cauípe foi a suposta destinação da água aduzida ao uso humano. Desde o princípio, contudo, a população local e os movimentos ambientalistas relacionados ao estudo de obras contra as secas denunciam o fato de que 60% do fluxo de água do Lagamar do Cauípe seria destinado ao Complexo Industrial e Portuário do Pecém”, afirma o documento encaminhado à Justiça.

outros destaques >>

Facebook

Twitter