sexta-feira, 23 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Draco captura mais três integrantes de organização criminosa em Mossoró

Com essas prisões, sobe para seis o número de integrantes da mesma organização criminosa presos pela Draco, em outros estados

segunda-feira, 13 de maio 2019

Imprimir texto A- A+

Dando sequência a um trabalho minucioso para identificar e prender integrantes de organizações criminosas com atuação no Ceará, a Delegacia de Repressões às Ações Criminosas Organizadas (Draco) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) capturou mais três integrantes de um grupo criminoso que estavam escondidos no estado do Rio Grande do Norte. Dois dos presos estavam com mandados de prisão em aberto por crimes cometidos no Ceará. Durante a ação que resultou na prisão do trio, os policiais civis apreenderam duas armas de fogo, 42 munições, três carregadores de pistola, dois veículos – incluindo um com queixa de roubo e placas clonadas – e R$ 210,00 em notas de 10 reais, manchadas com tinta de dispositivo antifurto. Com essas prisões, sobe para seis o número de integrantes da mesma organização criminosa presos pela Draco, em outros estados, em menos de seis meses.

Antonio Iago da Silva (26), o “Magnata”; Carlos Sérgio Galdino Facó (35), o “Morada”; e Dhelk Vieira Silvestre (29) foram capturados, na última sexta-feira (10), na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, por equipes da Draco. Todos estavam residindo em imóveis alugados, no bairro Nova Betânia. De acordo com informações levantadas durante as diligências, “Magnata” e Dhelk decidiram residir em Mossoró, há cerca de três meses. Ambos fugiram de uma unidade do sistema penitenciário do Ceará, em dezembro do ano passado, e, desde então, eram procurados pela Polícia. Já “Morada” havia chegado há uma semana na cidade potiguar, onde passou a dormir na casa de Dhelk.

Divulgação / SSPDS

Na posse de informações fornecidas pela inteligência da Draco, os policiais civis seguiram até Mossoró para capturar os alvos. Residente na Rua Neco Rodrigues, “Magnata” foi primeiro investigado preso. Após vistoria na casa dele, foram apreendidas uma pistola calibre .40, um revólver calibre 38, seis munições de calibre 38 e 37 munições de calibre .40, material encontrado na gaveta de um armário. Celulares e diversos documentos em nome de outras pessoas, mas com a foto de “Magnata” foram recolhidos da casa, bem como um Toyota Hilux, que, segundo o alvo, era alugado.

Quando as equipes policiais se dirigiam ao segundo endereço, na Rua Jornalista Jorge Freire, eles avistaram os dois alvos na porta da residência. Enquanto “Morada” não esboçou reação ao perceber a chegada dos agentes, Dhelk tentou fugir pulando os telhados das casas vizinhas. Ele foi capturado algumas casas depois, com auxílio de policiais militares do Rio Grande do Norte, que participaram das buscas pelo suspeito. De volta ao imóvel, os policiais apreenderam três carregadores de pistola calibre 380, celulares e R$ 210,00 em notas de 10 reais, manchadas com tinta de dispositivo antifurto. Um Hyundai Creta com queixa de roubo e com placas clonadas também foi apreendido na casa.

 

Divulgação / SSPDS

Autuações

O trio foi conduzido para o plantão da Delegacia de Polícia Civil, do bairro Alto de São Manoel, em Mossoró-RN, onde “Magnata”, que acumula passagens por roubo, homicídio, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e permitido, tráfico de drogas e por integrar organização criminosa na Polícia do Ceará, foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e uso de documento falso. Já “Morada”, com três procedimentos por tráfico de drogas, foi autuado por posse irregular de arma de fogo. Por fim, com três procedimentos por tráfico de drogas, dois por roubo, um porte ilegal de arma de fogo e um procedimento por fuga de preso, Dhelk vai responder a mais dois crimes: receptação e uso de documento falso.

Investigações

Com a finalidade de desestabilizar o crime organizado no Ceará e coibir a atuação de grupos que se articulam para cometer crimes no Estado, a Draco segue com as investigações acerca da atuação do trio preso, em Mossoró, no sentido de responsabilizá-los por outros crimes em apuração na Polícia Civil do Ceará. “Morada”, por exemplo, é investigado pelo envolvimento com roubo a instituições bancárias no Estado. A Polícia Civil atribui a ele a propriedade dos dois fuzis .50, apreendidos pela primeira vez, no Ceará, no ano passado.

Seis alvos presos

“Magnata”, “Morada” e Dhelk se juntam a Francisco de Assis Fernandes da Silva (43), o “Barrinha”, Francisco Tiago Alves do Nascimento (33), o “Tiago Magão”, e Yago Steferson Alves dos Santos (26), o “Yago Gordão”, todos presos pela Draco, em outros estados, entre dezembro de 2018 e maio deste ano. “Sem dúvida é um duro golpe na criminalidade no Estado. A Polícia não vai recuar um passo sequer no intuito de prender alvos que insistem em permanecer no crime. ‘Magnata’, “Morada’ e Dhelk tentavam assumir o controle da organização criminosa, uma vez que os chefes do alto escalão já se encontram presos e isolados. O trabalho continua”, destaca o titular da Draco, delegado Harley Filho.

“Barrinha” e “Tiago Magão” foram capturados no mês passado, em Recife, Pernambuco. Apontados como integrantes do alto escalão da organização criminosa e ocupando função estratégica nas atividades do grupo, os dois moravam em apartamentos de luxo, no bairro de Boa Viagem, quando foram presos. Donos de extensas fichas criminais, os investigados estavam com mandados de prisão em aberto por crime praticados no Ceará.

 

Divulgação / SSPDS

Em dezembro do ano passado, chegou a vez de Yago Steferson Alves dos Santos (26), o “Yago Gordão”, ser preso em um apartamento de luxo, na Praia de Ponta Negra, em Natal, Rio Grande do Norte. Ele foi o primeiro dos seis homens da mesma organização criminosa a ser capturado pela Draco. Após a prisão dele, “Barrinha” e “Tiago Magão” fugiram para a capital pernambucana.

Denúncias

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), por meio da Draco, mantém as investigações sobre o envolvimento dos presos em outras ações criminosas no Estado e na identificação de outros integrantes de grupos criminosos. A Draco disponibiliza um número para denúncias para onde podem ser repassadas informações que ajudem os trabalhos investigativos. As denúncias podem ser feitas para o número (85) 98969-0182, por meio de mensagens, áudios e vídeos. As informações também podem ser repassadas para o número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). O sigilo e a fonte são garantidos.

Atualizado por Jorge Alves
jorgelbalves@gmail.com
Fonte: SSPDS

Mais conteúdo sobre:

Rio Grande do Norte organização criminosa Draco Captura Três integrantes

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter