sábado, 24 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Greve geral: servidores irão parar em todo o Estado

terça-feira, 11 de junho 2019

Imprimir texto A- A+

A Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce), os sindicatos municipais filiados e demais entidades sindicais e movimentos sociais organizados preparam atos em todo o Ceará da greve geral marcada para a próxima sexta-feira, 14 de junho, em protesto contra a reforma da Previdência, que é vista o prenúncio do fim do direito à aposentadoria dos trabalhadores brasileiros.
Depois de organizar 10 marchas regionais contra a destruição da previdência, que mobilizou todo o Estado, a Fetamce destaca que é hora de aumentar a pressão e convocar mais pessoas para a luta, através da paralisação total das atividades no país. Servidores públicos, trabalhadores do setor privado, profissionais liberais, entre outros cruzarão os braços contra a medida classificada como anti-povo.
Além de retirar direitos fundamentais ligados à aposentadoria e à seguridade, as mudanças elaboradas pela presidência atingiriam quase 90% dos 5.500 municípios do país, que enfrentariam dificuldades econômicas, segundo dados da Associação Nacional dos Auditores da Receita Fiscal do Brasil (Anfip). Isso porque o montante de benefícios pagos pelo INSS é maior do que a arrecadação de impostos e transferências federais obrigatórias nessas cidades.

Necessário
Para alcançar as mudanças na Seguridade Social, o Governo Bolsonaro precisa obter 308 votos necessários para a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Nº 06, que tramita na Câmara dos Deputados. Sobre isso, os sindicatos prometem denunciar e finalizar a carreira política dos deputados que forem a favor da medida.
Os sindicalistas também criticam a milionária campanha publicitária do presidente em defesa da proposta de Reforma espalhada nas redes de TV e rádio. “A justiça brasileira fechou os olhos para a ‘manipulação’ da opinião nacional feita por Bolsonaro com dinheiro público. É ilegal. Contraria a Constituição Federal, no parágrafo 1º do artigo 37, que prevê publicidade apenas de caráter educativo, informativo ou de orientação social”, denuncia Enedina Soares.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter