sábado, 25 de maio de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Inspetora é afastada após investigação por suspeita de extorsão

quinta-feira, 14 de março 2019

Imprimir texto A- A+

Uma inspetora de Polícia Civil lotada no 12o Distrito Policial (Conjunto Ceará) foi afastada das suas funções, na tarde de ontem (13), em decorrência de uma investigação do Grupo de Atuação de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), que apura uma denúncia de extorsão. A unidade policial também foi alvo de um mandado de busca e apreensão cumprido pela Delegacia de Assuntos Internos (DAI/CGD).
Segundo a investigação do Gaeco, a policial exigia dinheiro de um líder local do PCC e dos traficantes subordinados para que não houvesse nenhum tipo de interferência dos agentes de segurança do Estado no desenvolvimento da atividade criminosa do grupo. “Com o dinheiro em mãos e na certeza da impunidade, a inspetora influenciava a sua equipe de policiais a permitir que os membros da organização criminosa trabalhassem desembaraçadamente, distante dos olhos da Lei”, explica o coordenador do Gaeco, promotor de Justiça Rinaldo Janja.
Foi apurado que na época dos primeiros pagamentos, em 2015, a policial era lotada na área do 32º Distrito Policial, no bairro Bom Jardim, unidade responsável pelas investigações de infrações penais na área de atuação do grupo criminoso.
O mandado de busca e apreensão e a cautelar de afastamento das funções foram deferidos pelo juiz da 16ª Vara Criminal, que também já recebeu a denúncia ofertada contra a policial pelo crime de extorsão (art. 316 do Código Penal), que consiste em constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma coisa, com pena de reclusão de quatro a 10 anos, e multa.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter