quarta-feira, 26 de junho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Lixo acumula pelas vias da capital cearense

quinta-feira, 10 de janeiro 2019

Imprimir texto A- A+

No oitavo dia de ataques criminosos no Ceará, o comércio em alguns bairros da Capital voltou a funcionar normalmente. Um dia antes, estabelecimentos de vários bairros tiveram que fechar as portas após ordens de membros de facções criminosas. Mesmo com o desejo da população que tudo volte ao normal, o lixo espalhado nas ruas da cidade ainda é um problema a ser enfrentado. Com a coleta reduzida ou inexistente em alguns bairros, devido aos recentes ataques, o acúmulo de lixo é visto em diversos pontos da Capital. Até agora, quatro veículos responsáveis pelo recolhimento dos resíduos sólidos foram atacados.

Na manhã de ontem, a reportagem do jornal O Estado percorreu os bairros Aldeota, Centro, Jacarecanga, Pirambu, Monte Castelo, Olavo Oliveira, Antônio Bezerra e Quintino Cunha, a situação era a mesma: lixo por toda parte. Na Rua Ildefonso Albano, no bairro Aldeota, o caminhão de lixo de uma empresa particular fazia a limpeza. Seguindo para o Centro, em toda a extensão da Avenida Duque de Caxias dava para notar pontos de lixo, mais à frente, já próximo ao cruzamento com a Avenida José Jatahy, os lixões tomavam de conta das calçadas. Na Avenida Sargento Hermínio com Avenida José Jatahy, de um lado um terreno com uma grande quantidade de resíduos sólidos, incluindo entulhos e podas de árvore, e do outro, no Ecoponto, um caminhão caçamba começava a esvaziar o local.

No bairro Antônio Bezerra, nas proximidades da estação ferroviária, rampas de lixo se formam em um terreno. Sem coletas nas ruas, “o jeito é procurar um local para deixar o lixo de casa, na porta que não dá”, disse um morador flagrado enquanto despejava seu lixo. No mesmo bairro, a calçada de uma fábrica de confecções também estava tomada por lixos.
A situação era ainda pior na Avenida Emília Gonçalves, no bairro Olavo Oliveira. Um quarteirão inteiro de lixo, entulhos, podas de árvores e resto de móveis. Além do cenário de sujeira, o odor também incomodava quem passava por perto. Segundo moradores, sem a coleta, a única opção é despejar na calçada de uma fábrica inativa.

Pelas ruas do bairro Monte Castelo, a grande quantidade de lixo nas calçadas e vias atrapalha até mesmo os pedestres na hora de atravessar, que precisam se arriscar entre os carros na falta de passagem. Por lá, em alguns pontos foi verificado que a própria população estava queimando o lixo para amenizar o acúmulo.

Em nenhum dos pontos em que a reportagem passou foi visto coleta de lixo normalmente. Nos bairros Quintino Cunha e Pirambu, a reclamação era de que desde que começaram os ataques criminosos a coleta domiciliar não passa nas ruas. “Desde sábado, os lixos estão nas calçadas porque os caminhões não estão passando. É o jeito ficar na calçada, a gente não sabe quando vai voltar. À noite o mau cheiro fica insuportável”, disse a dona de uma bomboniere, Rosilene da Silva.

Apenas na Avenida Leste Oeste, por volta de 10 horas, dois caminhões da Ecofor Ambiental, escoltados por viaturas da Polícia Militar, iniciaram a limpeza das vias. A expectativa era de que logo a coleta doméstica fosse retomada nas demais ruas. Em toda a Avenida Leste Oeste, o acúmulo de lixo já é constante, mesmo com a instalação do Ecopolo, que estava lotado de resíduos na manhã de ontem. De acordo com assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), o funcionamento estava normal, a grande quantidade de lixo é comum devido ao uso pela população.

A reportagem também tentou entrar em contato com a Ecofor Ambiental, mas não obteve êxito no número informado. A Prefeitura de Fortaleza informou que, ainda na noite de ontem, seria realizado uma operação extra de coleta de lixo noturna com escolta da Polícia Militar.
Comércio
• Os estabelecimentos comerciais de diversos bairros, que ficaram fechados na terça-feira (8) após as ameaças de membros das facções, que deram “toque de recolher”, voltaram a funcionar normalmente ontem. No grande Pirambu e Quintinho Cunha, por exemplo, todos os comércios estavam abertos. No Centro, o movimento também melhorou, comparado aos dias anteriores. Ontem o fluxo estava bastante intenso.

Transporte
• Nas paradas de ônibus e dentro dos sete terminais, o fluxo de pessoas e transportes aos poucos entrava dentro da normalidade. Pela manhã, o Sindônibus garantiu 100% da frota nas ruas. Na noite do dia 08, muitos trabalhadores e cidadãos foram prejudicados com a frota recolhida antes de 20 horas.

OAB-CE realiza visitas técnicas às unidades prisionais

A Ordem dos Advogados do Brasil, secção Ceará, realizou visita técnica a duas unidades prisionais Professor José Sobreira de Amorim e Centro de Privação Provisória de Liberdade I (CPPL I), ambas em Itaitinga. De acordo com a OAB, o objetivo foi acompanhar o respeito ao ordenamento jurídico, aos direitos fundamentais, bem como salvaguardar as prerrogativas e as condições de trabalho dos advogados e advogadas.
A comissão mista de prerrogativas, direitos humanos e penitenciário esteve com os agentes. “Tivemos contato com a advocacia criminal no local. Recebemos pleitos dos profissionais e estamos à disposição para atender a classe”, destacou o diretor de prerrogativas da OAB-CE, Marcio Vítor.
Participaram da comitiva o diretor de prerrogativas da OAB-CE, Marcio Vítor; o coordenador do Centro de Apoio e Defesa do Advogado e da Advocacia, José Navarro; o representante do Tribunal de Defesa das Prerrogativas (TDP), Osmar Celestino; Membro da Comissão de Direitos Humanos, Arnelle Peixoto; e Isabela Albuquerque, da Comissão de Prerrogativas. A previsão é de novas visitas sejam realizadas às demais unidades prisionais nos próximos dias.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter