sábado, 15 de dezembro de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Polícia Civil investiga golpes por WhatsApp

quinta-feira, 06 de dezembro 2018

Imprimir texto A- A+

A Polícia Civil divulgou, ontem, os detalhes de uma investigação conduzida pela Célula de Inteligência Cibernética do Departamento de Inteligência Policial (DIP), que apura uma nova modalidade de golpe que vem sendo aplicado em todo Brasil. De acordo com as investigações, mais de cinco mil pessoas já foram vítimas da ação criminosa. No Ceará, 50 Boletins de Ocorrência (B.O.) sobre o assunto foram registrados até o momento.
Uma mensagem pelo aplicativo Whatsapp, vinda de um familiar ou amigo próximo deveria estar acima de qualquer suspeita, mas essa é a forma utilizada pelos suspeitos para conseguir dinheiro das vítimas, nessa nova modalidade de crime cibernético. O DIP apurou que o grupo criminoso já vem aplicando golpes em todo Brasil. O meio utilizado para conseguir o acesso aos contatos e a conta no aplicativo de troca de mensagens das vítimas era o resgate do chip. Os golpistas compravam um chip e solicitavam o resgate de um número – o número da vítima escolhida. Com esta primeira etapa concluída, os suspeitos passavam a conversar com os contatos das pessoas prejudicadas.
As conversas mudavam de acordo com o perfil dos alvos. Para algumas pessoas, o grupo solicitava dinheiro para trocar um pneu de um carro, comprar um novo eletrodoméstico ou outras necessidades básicas. Para outros, o assunto era a compra de um carro ou pagamento de um serviço contratado. Os valores transferidos para as contas dos golpistas, de acordo com os primeiros levantamentos, ficavam entre R$ 70,00 e R$ 80 mil reais. O DIP já conseguiu identificar 50 registros de B.Os em todo o Ceará, mas a Polícia acredita que o número é bem maior, já que muitas pessoas podem ainda não ter registrado a queixa.
Vítimas da ação já começaram a ser ouvidas e a investigação encontra-se em estado avançado. Alguns suspeitos já foram identificados, dentre eles, um dos chefes do grupo que é interestadual. Outras pessoas estão sendo investigadas por participação direta ou indireta no esquema. As diligências apuram se houve envolvimento do grupo em ações voltadas contra prefeituras e prefeitos no Estado do Ceará. Para o delegado Julius Bernardo, diretor da Célula de Inteligência Cibernética do DIP, os criminosos utilizavam várias pessoas para conseguir atingir os objetivos. Contas de laranjas eram usadas para o depósito do dinheiro. “É um trabalho complexo e já ouvimos diversas pessoas. Sabemos que o golpe era bem estruturado, contando com a participação de vários envolvidos”, afirma o delegado.
Uma das formas de evitar o golpe é a verificação em duas etapas do Whatsapp, que é um recurso opcional para adicionar ainda mais segurança à conta do usuário. Ao ativar a verificação em duas etapas, qualquer tentativa de verificação de um número de telefone no WhatsApp terá de ser acompanhada por um PIN (senha) de seis dígitos criado pelo usuário.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter