quarta-feira, 14 de novembro de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Reabilitação auditiva: programa do HGF beneficiou 1.920 pacientes no ano passado

sexta-feira, 12 de janeiro 2018

Imprimir texto A- A+

“Eu estava andando de moto, quando um carro deu luz alta e me encandeou, eu ia colidindo em uma bicicleta, mas desviei muito rápido e caí de cabeça no acostamento. Como estava sem capacete, a consequência do acidente foi perda total da audição”, relembra Francisco Evandro Parente, aposentado de 58 anos, do acidente que o deixou sem audição em 2014. Ele é um dos 70 pacientes que são atendidos por mês, pelo Centro de Saúde Auditiva do Hospital Geral de Fortaleza (HGF), da rede pública de saúde do Governo do Ceará.

Há um ano e meio, Francisco realiza o acompanhamento nos ambulatórios de otorrinolaringologia e fonoaudiologia da unidade. Em junho de 2016, ele realizou a cirurgia para a implantação da prótese auditiva e, no mês de agosto, ativou o aparelho. “É indescritível. A sensação de você poder ouvir novamente não tem como explicar, é uma emoção que toma conta de mim. Eu me sinto bem mais feliz com a volta da audição”, diz emocionado.

Junção
Os serviços de otorrinolaringologia e fonoaudiologia trabalham juntos na melhoria da qualidade de vida dos pacientes que necessitam de reabilitação auditiva. Além deles, uma equipe multiprofissional formada por assistentes sociais, psicólogos, neurologistas, neurocirurgiões, pediatras e neonatologistas, entre outras especialidades, realiza esse trabalho. “Atuamos na melhoria da qualidade de vida do paciente, para que eles possam retomar as funções, os valores sociais, emocionais e comunicativos, uma vez perdidos pela deficiência auditiva”, ressalta a chefe do serviço de fonoaudiologia, Emília Kelma Alves.

Evolução
Quem também é acompanhada pelos serviços é a pequena Nicolly da Silva Senhor, de 4 anos. A mãe, Claudiane dos Santos Silva, 32 anos, explica que começou a desconfiar que a filha tinha problema de audição com menos de um ano de idade. “A Nicolly nasceu normal, não foi um bebê prematuro, mas teve um diagnóstico tardio, pois não foi feito o teste de orelhinha quando ela nasceu porque eu estava em processo de mudança de São Paulo para Fortaleza. Quando ela completou um ano, já morávamos no Ceará e levei ao médico que diagnosticou a perda total de audição”, rememora Claudiane.

Após a avaliação, Nicolly passou a ser acompanhada no serviço do HGF e realizou a cirurgia há apenas oito meses. “A cada dia, ela está aprendendo uma coisa nova. Ela ainda não fala, mas já atende pelo nome e já imita o som dos bichos. A nossa maior conquista é a reabilitação auditiva para poder inserir essa criança em sala de aula, inserir esse paciente, que tenha dificuldade de se comunicar, de volta na sociedade”, garante a fonoaudióloga Emília Kelma.

Nicolly está na escola desde um ano de idade, pois a mãe tinha que trabalhar e a deixava na creche. No colégio, a criança nunca teve dificuldade com a inclusão. A implantação da prótese auditiva atendeu 1.920 pacientes em 2017.

Prótese Auditiva
O programa de Prótese Auditiva do HGF iniciou há 17 anos e, em 2014, os serviços de fonoaudiologia e otorrinolaringologia se reuniram para trabalhar em conjunto no diagnóstico, avaliação e reabilitação do paciente com problemas de audição. Ao todo, a equipe da fono conta com 25 fonoaudiólogos e a otorrino com 11 médicos.

Atendimento no HGF
Para ter acesso ao programa é preciso que o paciente seja encaminhado, por meio da Central de Regulação, após passar por uma primeira consulta e uma unidade básica de saúde. O atendimento no Centro de Saúde Auditiva do HGF acontece de segunda a sexta-feira, das 7 às 16 horas.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter