domingo, 25 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Trabalhadores promovem protesto contra reforma da previdência e cortes de verbas na educação

terça-feira, 13 de agosto 2019

Imprimir texto A- A+

O Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort) e a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora se somam hoje a várias outras centrais, sindicatos, entidades estudantis, as frentes Povo Sem Medo e Brasil e outros movimentos, que saem às ruas hoje, 13/08, em mais um protesto contra a reforma da Previdência e o corte de verbas na educação.

Reprodução

Em Fortaleza, a Marcha da Educação tem concentração na Praça da Gentilândia e caminhada até a Praça do Ferreira. O protesto ocorre também em pelo menos 11 municípios cearenses e em vários outros estados da Federação. Em Brasília, acontece hoje a Marcha das Margaridas, protesto de mulheres trabalhadoras rurais e Marcha das Mulheres ìndígenas.

Para garantir a aprovação da reforma da Previdência na Câmara, o governo Bolsonaro liberou R$ 3 bilhões em emendas parlamentares, durante as negociações para garantir apoio ao projeto. Deste total, quase R$ 1 bilhão foi remanejado do orçamento do Ministério da Educação (MEC).

Nascelia Silva, presidente do Sindifort e secretária geral da Intersindical Ceará, destaca que a luta contra a Reforma da Previdência continua em uma nova etapa. O projeto, que na prática significa o fim da aposentadoria para milhões de brasileiros, ainda precisa passar por votação no Senado. “É hora de continuar unindo forças e mostrar nossa indignação nas ruas. Juntos vamos pressionar os senadores e este governo de extrema direita que querem tirar a nossa aposentadoria e o direito à educação! ”, afirma Nascelia.

Além da Reforma da Previdência, também faz parte da pauta dos protestos a falta de políticas efetivas para frear o aumento do desemprego, a diminuição dos salários, a precarização do trabalho, o corte de programas de proteção social e de renda mínima como o bolsa família, os cortes na educação pública e a tentativa de desmonte dos sindicatos.

Atualizado por Natasha Ribeiro
natasha@oestadoce.com.br
Fonte: Ass. de Imprensa

Mais conteúdo sobre:

Educação Trabalhador Reforma da Previdência

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter