quarta-feira, 19 de setembro de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

EUA: bases militares preparam-se para chegada de furacão Florence

quinta-feira, 13 de setembro 2018

Imprimir texto A- A+

A Marinha está retirando seu pessoal e seus navios, e a Força Aérea e o Exército estão transferindo suas aeronaves mais sofisticadas para outros lugares como precaução, diante da iminente chegada do furacão Florence à costa leste dos EUA, prevista para esta quinta-feira (13).
Os estados de Carolina do Norte, Carolina do Sul, Virgínia, Maryland e o Distrito de Colúmbia, onde fica a capital, Washington, declararam estado de emergência na terça (11). O Centro Nacional de Furacões (NHC) informou que o Florence estava na manhã de ontem (12) posicionado a 840 km de Myrtle Beach, na Carolina do Sul, com ventos de 215km/h.

Um funcionário do serviço meteorológico em Wilmington, Carolina do Norte, disse: “Este provavelmente será uma tempestade histórica para porções da costa das Carolinas”. “Não posso enfatizar o suficiente o potencial de destruição pelos ventos, tempestades e inundações.”

Algumas das mais conhecidas bases militares do país estão na região, como Camp Lejeune, em Jacksonville, na Carolina do Norte, Naval Station Norfolk, na Virgínia e o Marine Corps Recruit Depot, na Parris Island, na Carolina do Sul. Não houve retirada obrigatória para os marines e suas famílias do Camp Lejeune, mas milhares deixaram o local. O comando geral afirmou que quem ficasse teria comida, água e proteção, apesar de a base estar na rota projetada para o furacão.
“Desde 1941, esta base e seus marines estiveram posicionados para lidar com crises dentro e fora do país, e o furacão Florence não é uma exceção”, afirmou o general Julian D. Alford. Todo o pessoal não essencial foi liberado do trabalho na base e informado de que poderiam se transferir para um raio de 800 quilômetros de Jacksonville. Nat Fahy, porta-voz do comando, disse que a base é o lugar mais seguro para quem ainda não havia fugido. Dos cerca de 40 mil militares ativos em Lejeune, cerca de três quartos vivem na base. Fahy afirmou não saber ainda quantos haviam decidido ficar.

Colin Richards, mergulhador da Marinha baseado na Joint Expeditionary Base Little Creek-Fort Story, em Virginia Beach, estava entre os que decidiram sair, principalmente por causa da filha de um mês de idade. “É muito simples, não queremos ficar sem eletricidade com uma recém-nascida”, afirmou.

Recrutas
Recrutas da maior instalação de treinamento dos fuzileiros navais na costa leste deixaram o local na terça, mas a ordem de retirada foi cancelada depois que o furacão mudou sua trajetória para o norte. A maior parte dos mais de 8 mil marines e funcionários de apoio ficaram na base na Parris Island.

Em Fort Bragg, base do Exército na Carolina do Norte, a maior parte da frota de helicópteros da 82nd Airborne Division foi transferida para duas localidades na Geórgia. Na Virgínia, a Marinha emitiu na terça-feira uma ordem de saída emergencial para funcionários militares e civis, suas famílias e reservistas que vivem nas áreas costeiras. Mais de 30 navios foram transferidos para águas mais tranquilas no oceano Atlântico. A Força Aérea e a Guarda Nacional Aérea transferiram seus jatos da costa da Virgínia para o Ohio.

outros destaques >>

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter