32 C°

sábado, 26 de setembro de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Mundo

ONU declara que crimes de guerra seguem na Síria

quarta-feira, 16 de setembro 2020

O cessar-fogo na guerra civil da Síria, pactuado entre Rússia e Turquia em março, surtiu efeito e reduziu a intensidade das hostilidades e dos ataques, mas crimes de guerra seguem sendo cometidos por todos os lados do conflito, segundo um relatório da Comissão Independente de Inquérito para a Síria, do Conselho de Direitos Humanos da ONU, publicado nesta terça-feira (15). Segundo o documento, além do cessar-fogo, a pandemia da Covid-19 também contribuiu para a redução das hostilidades, com restrições de circulação e fechamento de fronteiras internas. Apesar disso, surtos de violência e constantes violações de direitos humanos continuam ocorrendo por todo o país.


A Síria vive uma guerra civil desde 2011, na qual grupos rebeldes e o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) combatem o governo do ditador Bashar al-Assad, mas também lutam entre si. Diversas potências estrangeiras se envolveram no conflito. A ditadura quase foi derrotada, mas em 2015 Moscou interveio e instalou um destacamento aéreo no país, revertendo a sorte do aliado com o apoio terrestre de forças iranianas e do grupo libanês Hizbullah.


Os EUA, por sua vez, ajudavam os curdos, um dos grupos rebeldes, mas, de forma abrupta, Washington decidiu abandoná-los em outubro do ano passado, o que abriu caminho para uma operação da Turquia contra a população da maior nação apátrida do mundo. Já a Turquia apoia os rebeldes do Exército Nacional Sírio, o antigo Exército Livre da Síria, contrários a Assad e que se concentram hoje na província de Idlib. É nessa província que o cessar-fogo acordado com a Rússia tem validade. Números mostram que, de fato, após o acordo, o número de mortos despencou.

Conflito
O Observatório Sírio de Direitos Humanos, uma ONG britânica que monitora o conflito com base em uma rede de fontes locais, estima que em nove anos de guerra, completados em março deste ano, cerca de 586 mil pessoas morreram, das quais mais de 384 mil foram documentadas pela organização. Entre as quase 600 mil mortes, mais de 200 mil foram de civis. No entanto, após fevereiro registrar um recorde de mortos em 23 meses, com 1.771 fatalidades, o número vem caindo seguidamente. Em março foram 508 mortes, e nos meses subsequentes o número ficou sempre próximo de 300, até bater 238 em agosto, o menor já registrado desde o início do conflito.


Além dos três lados mencionados anteriormente, há também o Estado Islâmico, que, apesar de ter perdido a maior parte do território sob seu controle, segue ativo em algumas regiões do país. Segundo os investigadores, o grupo terrorista segue realizando ataques contra as Forças Democráticas Sírias, na região nordeste, e contra o Exército Árabe Sírio, do governo de Assad, na região central.


No entanto, violações de direitos humanos e crimes de guerra não são cometidos apenas pelos radicais do EI. Segundo os investigadores, nenhum dos lados do conflito tem “mãos limpas”. “Todos os atores controlando territórios continuam sujeitando civis a abusos”, dizem em nota. Em áreas controladas pelo governo, a comissão registrou “52 ataques emblemáticos marcados por crimes de guerra” realizados “por todas as partes”, com dezenas de mortes de civis, em especial antes do cessar-fogo. A comissão afirma que, como resultado das ações, quase 1 milhão de pessoas tiveram que fugir, e a maioria continua vivendo em campos de refugiados de condições precárias.


“Cerca de 220 mil retornaram para viver em meio a escombros em áreas que permanecem sob controle do grupo terrorista Hayat Tahrir el Salam”, diz o documento, em referência ao grupo radical islâmico ligado à Al-Qaeda e que atua na Síria. O documento também relata uma série de desaparecimentos. Em alguns casos, o sumiço já dura oito anos, “demonstrando a longevidade dessa prática”.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com