28 C°

sábado, 25 de novembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Premiê britânica promete defender UE após saída do bloco e critica Rússia

terça-feira, 14 de novembro 2017

Imprimir texto A- A+

Em meio ao entrave de suas negociações com a União Europeia, a primeira-ministra britânica, Theresa May, fez um importante aceno na noite de segunda-feira (13) ao prometer defender o bloco econômico mesmo depois de deixá-lo em março de 2019.

Em um discurso no distrito financeiro de Londres, ela citou a Rússia como principal ameaça: acusou o país de agressão militar no leste da Ucrânia, de violar os espaços aéreos de diversos países europeus e de interferência em eleições recentes.

Criar notícias falsas e circular imagens adulteradas via Photoshop, afirmou May, é a maneira russa de “transformar informações em armas”. Ela mencionou também a invasão de hackers ao Ministério da Defesa da Dinamarca e ao Parlamento alemão.

“Vamos agir juntos para proteger nossos interesses e a ordem internacional de que dependem”, disse. “O Reino Unido permanecerá incondicionalmente comprometido à manutenção da segurança europeia.”

A fala da primeira-ministra aumentou o tom da crítica em relação à Rússia e coincidiu com o anúncio da visita do chanceler britânico, Boris Johnson, a Moscou até o fim do ano.

BREXIT

Sinalizar sua intenção de seguir contribuindo à defesa europeia é uma maneira de May conseguir concessões nas complicadas tratativas com a União Europeia, em especial no que diz respeito à economia -que será um de seus campos mais pantanosos.

O Reino Unido espera dar início já em dezembro às conversas sobre um tratado de livre comércio para quando concluir o “brexit”, nome dado à saída britânica do bloco econômico.

Mas os negociadores europeus já disseram que, se o Reino Unido não fizer nenhuma concessão de peso nas próximas semanas, essas discussões não poderão avançar.
A defesa pode servir de barganha porque o Reino Unido tem hoje um dos orçamentos de defesa mais altos entre os membros do bloco: 2,1% de seu PIB, quando a media europeia é de 1,4%. O país tem também um dos serviços de inteligência mais eficientes da União Europeia.

(KIRSTY WIGGLESWORTH/AFP/Getty Images)

PARLAMENTO

Em paralelo, o governo de May fez uma importante concessão interna na segunda-feira (13) ao anunciar que o Parlamento poderá votar no acordo do “brexit” antes de que entre em vigor.

A votação, porém, servirá apenas para a Casa decidir se aprova ou não os termos do acordo de separação. Assim, os parlamentares não terão o poder de impedir o “brexit”, apenas de cancelar o acordo de separação.

Neste caso, o Reino Unido deixaria o bloco sem nenhum tipo de acordo, cenário que preocupa a União Europeia.

Além dos pontos econômicos, a ideia é que as negociações também incluam os direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido e o dos britânicos na Europa.

O Reino Unido tem vivido uma intensa incerteza política desde o plebiscito que decidiu o “brexit” em 2016. O “sim” venceu com uma margem pequena: apenas 52% dos votos.

Uma pesquisa divulgada no último dia 7 pelo ORB indicou que 66% dos eleitores desaprovam a maneira com que o governo tem lidado com o “brexit”. O levantamento foi feito de 3 a 5 de novembro com 2.044 entrevistas. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Em meio a crises políticas, May perdeu ainda dois ministros durante este mês: o secretário de Defesa Michael Fallon e a secretária de Desenvolvimento Internacional Priti Patel. Ambos renunciaram ao cargo com menos de uma semana de diferença.

Sem a maioria do Parlamento desde as eleições de junho deste ano, o governo conservador depende de uma aliança com um partido irlandês e tem, portanto, uma posição frágil. Analistas especulam que dificilmente May chegará ao fim do mandato, previsto para 2022.

Fonte: Folhapress

Mais conteúdo sobre:

UE Premie Britânica Theresa May

outros destaques >>

Facebook

Twitter