sábado, 16 de fevereiro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Theresa May ouve novo não da Europa sobre o “brexit”

sexta-feira, 08 de fevereiro 2019

Imprimir texto A- A+

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse ontem (7) à primeira-ministra britânica, Theresa May, que o acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) não será reaberto. Ele sinalizou, porém, disposição em alterar a declaração política que acompanha o texto principal, na qual se esboça a relação comercial pós-brexit entre as partes.

A ideia seria “torná-la mais ambiciosa em termos de conteúdo e agilidade” na implantação do sistema de transações. Um comunicado conjunto divulgado após o encontro em Bruxelas informou que negociadores britânicos e europeus voltarão a conversar para tentar pôr fim ao impasse em torno do pacto.
Uma reunião bilateral foi agendada para segunda (11). May e Juncker devem se ver novamente até o fim de fevereiro. O pomo da discórdia continua sendo o dispositivo previsto para evitar o restabelecimento de controles rigorosos de mercadoria na fronteira entre a Irlanda do Norte (parte do Reino Unido) e a República da Irlanda (Estado membro da UE).

A hipótese de uma união aduaneira que colocaria temporariamente sob o mesmo guarda-chuva Europa e os então “livres” territórios britânicos causa arrepios em dezenas de parlamentares em Londres, o que vem impedindo a aprovação do acordo.

Texto
No fim de janeiro, o Parlamento apontou sua condição para endossar o texto: a exclusão do dispositivo, conhecido em inglês como “backstop”. Na quinta, em Bruxelas, May reconheceu não ser possível descartar um mecanismo de salvaguarda da “fronteira invisível” entre as Irlandas, mas insistiu na necessidade de alterá-lo para obter o sinal verde do Legislativo em Londres.

Ela apresentou três saídas: uma, envolvendo a definição de uma data-limite de vigência do “backstop” em sua forma atual; a segunda, dando ao Reino Unido a prerrogativa de sair da hipotética união aduaneira quando bem entender; e a última, trocando a zona de tarifa comum por soluções tecnológicas que permitiriam checagens de produtos longe da divisa irlandesa.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter