terça-feira, 17 de setembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Chefe do Ibama no Pará é demitido após polêmica em audiência

quarta-feira, 11 de setembro 2019

Imprimir texto A- A+

O governo Jair Bolsonaro demitiu na tarde dessa terça-feira (10) o novo superintendente regional do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) no Pará, o coronel da Polícia Militar Evandro Cunha dos Santos.

A exoneração, assinada pelo ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente), será publicada na edição desta quarta-feira (11) do “Diário Oficial da União”. O servidor público foi afastado por ter feito uma declaração sem respaldo do governo federal.
Em audiência pública, na segunda-feira (9), ele havia dito que recebeu ordem para interromper a queima de veículos que são flagrados pela fiscalização do órgão federal cometendo crimes ambientais na Amazônia. Para fiscais do Ibama, a fala de Santos colocava em risco

servidores do órgão atualmente em operação no município de Altamira, campeão de desmatamento e de focos de incêndio no país. Desde o dia 27, o órgão ambiental embargou ali quase 20 mil hectares e destruiu equipamentos de infratores ambientais, principalmente na Terra Indígena Ituna/Itatá. Santos foi nomeado para a chefia do Ibama paraense no último dia 2 pelo ministro Ricardo Salles. Na semana passada, fiscais do Ibama fizeram uma grande operação de repressão a garimpos ilegais na floresta nacional do Crepori, no Pará, e queimaram equipamentos, incluindo duas retroescavadeiras, encontrados operando dentro da área protegida por lei.

Preservação
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que o Brasil preservou a Amazônia por esforços próprios. “O Brasil é um país que preservou 84% da sua Floresta Amazônica, e fez isso pelos seus méritos próprios, com seus esforços próprios e continua preservando e defendendo a floresta. Temos vários mecanismos financeiros que foram aventados internacionalmente, inclusive por ocasião do Acordo de Paris, e também do Protocolo de Quioto: o pagamento por serviços ambientais, por créditos carbonos, REDD [Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal, enfim, todo esse arcabouço de recursos que são aventados no mundo para contribuir com a preservação.” (com informações da Agência Brasil).

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter