domingo, 21 de julho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Polícia ouvirá direção atual do Fla e gestão Bandeira por incêndio

A polícia quer esclarecimentos sobre o projeto de construção do CT, estruturas provisórias e manutenção do local

domingo, 10 de fevereiro 2019

Imprimir texto A- A+

A investigação da 42ª Delegacia de Polícia sobre o incêndio que matou dez jovens das categorias de base do Flamengo terá avanços importantes a partir da próxima segunda-feira (11). Integrantes da direção atual do Rubro-negro e da gestão anterior, comandada por Eduardo Bandeira de Mello, serão convocados a prestar depoimento.

Uol

A previsão é a de que as oitivas sejam realizadas e os dirigentes ouvidos o mais rapidamente possível. A polícia quer esclarecimentos sobre o projeto de construção do CT, estruturas provisórias e manutenção do local.

O objetivo é entender as causas do incêndio e apurar responsabilidades. Entre as dúvidas está o fato de o CT funcionar sem alvará, autorização do Corpo de Bombeiros e ter um alojamento em um local não determinado.

Por outro lado, peritos voltarão ao Ninho do Urubu em busca de materiais e medidas complementares para que o laudo da tragédia seja concluído.

Os atletas sobreviventes e funcionários também podem ser chamados novamente para novos depoimentos.

O delegado Márcio Petra de Mello ouvirá os responsáveis pela instalação dos contêineres, além de manutenção dos aparelhos de ar-condicionado e do CT Ninho do Urubu.

Corpo de Bombeiros explica ausência de licença

O centro de treinamento do Flamengo não tem as licenças necessárias para funcionar. Houve apenas a autorização para a realização de obras. Sem alvará, a parte que se refere ao Corpo de Bombeiros envolve o Certificado de Aprovação (CA).

Este documento atesta a existência e o funcionamento dos dispositivos contra incêndio previstos pela legislação vigente. Não se trata de alvará de funcionamento (estabelecimentos comerciais) ou habite-se (imóveis residenciais). Estes documentos são emitidos pela Prefeitura.

Por outro lado, a não existência do CA não significa, por si só, que o local não possuía os dispositivos, e sim que não era aprovado pelo Corpo de Bombeiros.

DA REDAÇÃO DO ESTADO ONLINE
isadora@oestadoce.com.br
Fonte: UOL

Mais conteúdo sobre:

Fla

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter