26 C°

domingo, 23 de julho de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Previdência: aliados ficam surpresos com mudanças

quinta-feira, 20 de abril 2017

Imprimir texto A- A+

As mudanças feitas de última hora pelo relator da Previdência, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), foram uma “surpresinha”, como ele mesmo definiu, até para os principais aliados do presidente Michel Temer. Integrantes do governo que participam das negociações em torno da nova Previdência disseram que não havia acordo fechado para a alteração na idade mínima para a aposentadoria de trabalhadoras rurais anunciada por Maia na manhã de quarta-feira (19), quando a sessão para apresentação do parecer já havia sido aberta.
Outro que foi pego de surpresa com a mudança foi o deputado Beto Mansur (PRB-SP), que passou a terça-feira (18) preparando uma cartilha para traduzir a reforma para parlamentares. Próximo a Temer, ele foi escalado para cuidar da comunicação sobre a reforma no Congresso. Os 500 livretos de 23 páginas, capa em verde e amarelo, intitulados “Reforma da Previdência – conquista dos parlamentares” e assinados pela “base de apoio do governo no Congresso Nacional” foram rodados de madrugada, mas já saíram da gráfica desatualizados.
Procurado, Mansur não revelou o quanto foi gasto, mas afirmou que as despesas serão rateadas entre os partidos da base e que os impressos não serão jogados fora. A publicação tem um prefácio apócrifo que aborda a necessidade de “ajustes” na Previdência Social. “Não há mais como adiar a reforma da Previdência, e assim garantir o direito de quem já está contribuindo, dos 28 milhões de aposentados e pensionistas e também daqueles que ainda nem entraram no sistema para que possam receber seus benefícios, todos os meses, sem atrasos”, diz o texto.

Parceria
A introdução do livreto ressalta a parceria entre Executivo e Legislativo para fazer modificações “para que a proposta aqui apresentada atendesse, por um lado, as necessidades econômicas e, por outro, garantisse a sustentabilidade da Previdência Social”. O texto diz ainda que a reforma “acaba com os privilégios e mantém os direitos adquiridos de quem está para se aposentar ou já se aposentou”.

outros destaques >>

Facebook

Twitter