quinta-feira, 21 de junho de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Senador do DEM, Agripino vira réu pela segunda vez

quarta-feira, 13 de junho 2018

Imprimir texto A- A+

Por maioria de 3 a 2, a Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) recebeu nesta terça-feira (12) uma denúncia contra o senador e presidente do DEM, José Agripino Maia (RN), tornando-o réu pela segunda vez na corte.

Neste caso, ele é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e uso de documento falso. Segundo a investigação, que partiu de delações premiadas, Agripino recebeu R$ 1,15 milhão para garantir um contrato de inspeção veicular com o governo do Rio Grande do Norte. As transações teriam sido em 2010 e 2011.

O Ministério Público também acusou a ex-governadora Rosalba Ciarlini Rosado, mas, por unanimidade, os ministros rejeitaram a denúncia contra ela. Em dezembro, Agripino tornou-se réu na Primeira Turma em outro processo, sob acusação de corrupção e lavagem por supostamente ter recebido propina da OAS na construção da Arena das Dunas, em Natal, um dos estádios usados na Copa de 2014.
A investigação sobre a inspeção veicular foi aberta no STF em 2015. O julgamento do recebimento da denúncia oferecida pela PGR (Procuradoria-Geral da República) começou em maio. Na semana passada, a análise foi retomada, mas a sessão foi suspensa, com empate de 2 a 2, para que o ministro Celso de Mello, que estava ausente, pudesse votar.

Nesta terça, Celso acompanhou o relator, Ricardo Lewandowski, pelo recebimento da denúncia. Também votou com o relator o ministro Edson Fachin.
Gilmar Mendes divergiu. Ele entendeu que os fatos descritos como corrupção passiva (com pena de 2 a 12 anos de prisão) se enquadravam, no máximo, como crime de tráfico de influência, que tem pena menor (de 2 a 5 anos de prisão) e, por isso, já estaria prescrito. O ministro Dias Toffoli o acompanhou.

Ambos também rejeitaram as imputações de lavagem e uso de documento falso. Quanto à primeira, Gilmar afirmou que os recursos supostamente ilícitos não foram rastreados e, diferentemente do que sustentou a PGR, não havia indicativo de que a campanha do senador gastou mais do que declarou.

Anulação
Antes de discutirem o recebimento da denúncia, os ministros debateram na semana passada a regularidade das delações que embasaram a investigação.

outros destaques >>

Facebook

Twitter