sexta-feira, 27 de Abril de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Bumerangue

ROSSANA BRASIL KOPF ADVOGADA PSICANALISTA

segunda-feira, 16 de Abril 2018

Imprimir texto A- A+

Pode demorar, mas sempre receberemos na medida exata do que oferecemos. Nada mais, nada menos do que isso. Não raro, costumamos achar que vimos sendo tratados injustamente ou de forma desagradável pelas pessoas que nos rodeiam. É como se estivéssemos recebendo muito menos que verdadeiramente queremos ou pensamos que merecemos. Assim, passamos a colocar a culpa do que nos ocorre tão somente nas pessoas e no mundo lá fora, o que nos impede de nos enxergarmos como sujeitos de nossas histórias, uma vez que, nessa ótica, seríamos meros joguetes nas mãos dos outros. Basta ver o que acontece ao nosso redor, vou escrever o exemplo do tal “Expresso 150,” no nosso Judiciário, a lei divina vai ser dura com esses Juízes e desembargadores que destruíram varias famílias e Jovens, soltando os tais traficantes. A lei divina não é vingativa, mas o preço do retorno vai ser doloroso. E, assim, vamos passando os dias lamentando as supostas injustiças que nos vão sendo impostas, recheando nossas amarguras com os tratamentos que julgamos descabidos por parte das pessoas que convivem conosco, sentindo-nos mal amados, mal interpretados, mal vistos e desvalorizados.

Afinal, ninguém parece nos entender ou perceber os potenciais que possuímos, como se estivéssemos sendo subutilizados em todos os setores de nossas vidas. Por essa razão é que jamais poderemos fugir ao enfrentamento de nós mesmos, analisando racionalmente o que estamos oferecendo, como estamos nos comportando, enxergando a nós mesmos, na forma como estamos tratando as pessoas, nas palavras que usamos, no tom de voz que colocamos, no olhar que dirigimos ao mundo lá fora. Muitas vezes, apenas estamos recebendo de volta exatamente o que oferecemos, nada mais nem menos do que isso. Afff, essa lei do retorno existe e fico com medo desses meus erros que tenho praticado. Não podemos esquecer que estamos de passagem que esse corpo está sendo somente emprestado. Por isso, temos a obrigação de refletir!

Caso consigamos perceber a forma como as pessoas vêm nos enxergando, o que o mundo vem recebendo de nós, muito provavelmente entenderemos várias coisas que nos acontecem, tendo a consciência de que o que nos chega não é injusto e sim retorno de mesma medida. Muitas vezes, estaremos ofertando é nada, tratando mal as pessoas, ignorando-as e menosprezando-as, fechando-nos aos encontros, a tudo o que está fora de nós. Por isso devemos pensar que a lei do bumerangue vem mesmo seja com alegria, depressão e tristeza. Vamos fazer o bem sem olhar a quem!

outros destaques >>

Facebook

Twitter