31 C°

domingo, 17 de dezembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Escalada nos degraus no Legislativo

MAURO BENEVIDES JORNALISTA E DEPUTADO FEDERAL

quarta-feira, 06 de dezembro 2017

Imprimir texto A- A+

Tenho sido instado a reportar-me aos escalões legislativos, a que tive a honra de ascender, em mais de meio século de incessantes atividades partidárias, tarefa que principio, hoje, a mencionar, mesmo singelamente voltando a memória para a Câmara Municipal de Fortaleza, a cujo Plenário cheguei em 1955 na legenda do então Partido Social Democrático, que tinha como dirigentes, no Plano Nacional, Ernani do Amaral Peixoto e, no Ceará, Francisco de Menezes Pimentel, ex-governador e depois Senador da República de quem fui aluno na vetusta Faculdade de Direito, na época sob a serena condução do Dr. João Otávio Lobo.

Como representante mais votado daquela agremiação – PSD – cheguei a exercer, interinamente, a Presidência da Casa, por quarenta dias, já que o titular José Martins Timbó, de saudosa memória, passara a ocupar, por igual período, a Prefeitura Municipal por licença do titular Acrísio Moreira da Rocha.
O líder de nossa bancada era Dorian Sampaio, sempre vibrante em suas intervenções de caráter oposicionista, contrapondo-se ao popularíssimo Acrísio Moreira da Rocha que, pela segunda vez, estivera ocupando a curul da Edilidade, tendo como Chefe de Gabinete o competente Nilo Porfírio Sampaio.

De passadas legislaturas já vinha conosco o Vereador José Diogo da Silveira, assíduo frequentador da tribuna, para a qual trazia fatos do cotidiano, que ele considerava relevantes para a vida de nossa urbe.

Relembro que, uma das proposições mais relevantes que formulei foi a fixação de, pelo menos, um Salário Mínimo aos devotados servidores da Prefeitura Municipal de Fortaleza, que chegavam a perceber aquém daquela quantia, o que considerei um verdadeiro despautério, sob o caráter humano, num desfavorecimento àqueles que colaboraram com a Municipalidade.

Na sucessão do posto máximo de direção daquela Casa, ascendeu o professor Manuel Lourenço dos Santos, de postura serena e habilíssimo propugnador do cabal cumprimento da letra Regimental, o que o tornava acatado pelos seus pares e pelos segmentos conscientizados da opinião pública da nossa Metrópole.

Por aquela Casa, principiei uma trajetória cinquentenária, que ensejou a minha ascensão, como Senador, à Presidência do Senado e do Congresso, antes fazendo um estágio de quatro legislaturas na Assembleia Estadual, numa das mais delicadas fases de nossos fastos historiográficos.
Computando quatorze mandatos em todos os escalões hierárquicos, continuo servidor do povo, enquanto tiver força, engenho e arte para tão nobre missão.

outros destaques >>

Facebook

Twitter