27 C°

sábado, 25 de março de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

A febre se espalha

quinta-feira, 16 de março 2017

Imprimir texto A- A+

E o que se temia, acabou por se confirmar. A Secretaria Estadual da Saúde (SES) do Rio de Janeiro informou que foram confirmados os dois primeiros casos de febre amarela silvestre com transmissão dentro do estado, desde as primeiras notificações em humanos em Minas Gerais. Um dos casos resultou em morte: Watila Santos, de 38 anos, morador da área rural de Casimiro de Abreu, na Baixada Litorânea. Ele morreu no último sábado (11), no hospital municipal da cidade, onde deu entrada com queixas de dor de cabeça, taquicardia, falta de ar, febre e dor no corpo. O outro resultado positivo para o vírus também é de um morador da área rural do município de Casimiro de Abreu. Segundo a secretaria, os dois homens não têm histórico de viagem para áreas onde há comprovação da circulação da doença.

Agora, é correr atrás de prevenir a catástrofe, antecipando a vacinação para 24 municípios estratégicos do Rio de Janeiro, sendo que a prioridade da campanha será imunizar a população residente ou que trabalha em áreas de mata e zonas rurais. Para a primeira etapa da vacinação dos moradores destes municípios, o Governo Federal vem cumprindo a sua parte e vai disponibilizar 1 milhão de doses de vacinas, que serão entregues para a secretaria, que fará a distribuição para as cidades. Os demais municípios, incluindo a capital e a região metropolitana, integrarão as duas fases seguintes, com previsão de início até o fim deste mês, mediante a liberação de novos lotes de doses a serem disponibilizados pelo Ministério da Saúde para o Rio de Janeiro.

A Secretaria da Saúde reforça que todo o estado será contemplado e que, portanto, não há necessidade de deslocamento da população entre os municípios em busca da vacina. O fato é que não podemos deixar que esse mal se espalhe para outras áreas do País, e agora, mais do que nunca, é necessário pôr em alerta todos os serviços públicos de saúde, de modo a que eles atentem para possíveis novos casos.

EDITORIAL

outros destaques >>

Facebook

Twitter