terça-feira, 16 de julho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

O Brasil dos feriados

terça-feira, 24 de março 2009

Imprimir texto A- A+

Tenho a convicção de que o Brasil é o campeão universal dos feriados. De quem é a culpa? Do povo ou do governante? Comenta-se que o país tem governante que merece. Para que tantos feriados, quando a nação ainda está na situação de emergente?

Podemos citar muitos feriados, como Confraternização Universal, Carnaval, Tiradentes, Dia do Trabalho, Independência do Brasil, Proclamação da República, Paixão de Cristo, Corpus Christi, Nossa Senhora de Aparecida, Finados e Natal, sem se levar em consideração o Dia do Estudante, o Dia do Professor, o Dia do Comerciário, o Dia do Funcionário Público, etc.

Como fica o progresso da nação, onde se sonha sempre com um feriado após o outro?
Somos sabedores de que em todos estes feriados há uma incidência maior de acidentes de trânsitos, oriundos da exacerbação da ingestão de bebidas alcoólicas que, na verdade, reflete em prejuízo duplo, ou triplo, para a nação. Deveriam ser dias de reflexões, de procurar Deus, de uma busca si mesmo, isto é, momento para se realizar um balanço sobre qual a contribuição que damos para a sociedade. Poderiam ser, estes dias, direcionados para a prática da voluntariedade, com visitas a instituições para idosos, instituições que trabalham com pessoas portadoras de deficiência, visitas a hospitais, bem como para a promoção maior do encontro familiar, com o exercício da prática do diálogo; participação em retiros religiosos, enfim, fugir da mesmice, do âmbito do materialismo, da concorrência, da luta pela sobrevivência, do mundo do ter, do consumismo, do sensacionalismo, da corrida pelo dinheiro, onde as pessoas transformam-se em verdadeiras máquina, esquecendo-se do lado humano, de pessoas filhas de Deus.

No entanto, trata-se, apenas, de uma utopia, pois, tais feriados, com certeza, são mais convidativos para um pega de carros, promovidos pelos “filhos de papai”, tomar um porre na esquina ou direcionar-se para o mundo da prostituição, o mundo da droga, o mundo do crime, distanciar-se muito de Deus e aproximar-se cada vez mais do Demônio.

Dessa forma, devo enfatizar que se tais pausas fossem direcionadas para o lado do bem, com certeza, contribuiria para um maior progresso de nossa nação, na área do humanismo, da cidadania, da co-participação e da co-responsabilidade inerentes ao dia a dia de um povo, onde o respeito seria mútuo, a força laboral seria mais consolidada, prevalecendo o espiritual sobre o material, o real sobre o irreal e o poder do ter seria mais contemplativo diante das disparidades sociais e econômicas.

Finalmente, se diminuíssemos a quantidade de feriados, teríamos um ano com menos perdas de vida humanas e um maior progresso, tanto do ponto de vista econômico como do ponto de vista social. Ainda é tempo para transformar o Brasil campeão de feriados, num Brasil campeão de bons resultados.

Luiz Câncio
Pacto de Cooperação

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter