domingo, 25 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

O pouco de Bolsonaro!

HÉLDER CORDEIRO JORNALISTA

terça-feira, 13 de agosto 2019

Imprimir texto A- A+

Alógica nos leva a uma simples reflexão: o pouco que já fez Bolsonaro, em oito meses de governo, é muito em relação aos antecessores nas três últimas décadas. A chegada de Bolsonaro à presidência da República não provocou delírios e nem se aproximou daquele emocionante momento de posse do então mecânico torneiro Luís Inácio Lula da Silva na presidência da República. Na época, um entusiasmo pelo renascer de um novo Brasil prometido pelo candidato apaixonou os brasileiros com esperança e confiança encarnadas no personagem “salvador da pátria”.
Infelizmente, o então presidente Lula desmoronou o “pseudo castelo” construído pelo candidato que prometia implementar projetos de mudanças contra os desmandos antipatrióticos e corruptos dos desgovernos que o próprio Lula os chamava de “trio da ladroagem nacional”, de Zé Sarney, Fernando Collor e Fernando Henrique.
Lula, no primeiro semestre de governo, abandonou as promessas de campanha eleitoral. Mandou para o brejo os projetos de auditoria nas dívidas públicas e de combate à corrupção, além dos demais compromissos de então candidato. Até no programa Bolsa Família foi um amontoado do que já existia, mas, hoje, legado do seu corrupto desgoverno.
Diferente de Bolsonaro, nos primeiros oito meses de governo, Lula implantou no Congresso Nacional as raízes do mensalão e com o seu sucesso veio o petrolão sob o controle de uma “organização criminosa” saqueando os cofres da administração pública.
Os sucessivos desgovernos, de Sarney a Lula, elegeram Jair Bolsonaro prometendo ser diferente e de desmantelar o velho estilo corrupto e politiqueiro para se obter governabilidade, ou seja, divisão dos cargos públicos, de ministros e vigia dos presídios, entre as “raposas da política” existente no Congresso Nacional.
O que está ocorrendo neste início de governo Bolsonaro? Realidade que não ocorria, de Sarney a Temer. Está fechado o balcão do toma lá dá cá para nomeação de apadrinhados. O que significa afastar do Poder Público os corruptos? Segundo relatos dos procuradores da Operação Lava Jato, economia de 250 bilhões de reais/ano. Situação incômoda para os corruptos e aliados no exercício de altos cargos públicos nesta República. Agora juntos estão unidos contra Bolsonaro, Sérgio Moro e Lava Jato?
Superficial analise sobre o porquê dessa oposição contra o governo Bolsonaro, com exceção das suas impensadas opiniões, observa-se existir imensa saudade do petismo, período de corrupção generalizada. Logo, desejo de “Lula livre” para o retorno dos que sucatearam a economia nacional, hoje, inviabilizada financeiramente pela companheirada que assaltou os cofres públicos da administração pública. Portanto, o pouco de Bolsonaro já é muito!

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter