30 C°

sábado, 16 de dezembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Os 74 anos da URSS e os 26 da Nova Rússia

João Soares Neto JORNALISTA, BACHAREL EM DIREITO E ADMINISTRAÇÃO

sexta-feira, 10 de novembro 2017

Imprimir texto A- A+

OO capitalismo é a exploração do homem pelo homem. O socialismo é o contrário”. Millôr Fernandes
O ano de 1917 não foi apenas o fim da I Guerra Mundial, na qual o império soviético era um dos protagonistas. Houve revolução interna em fevereiro na capital do Império, Petrogrado. Morreram cerca de mil pessoas. Nicolau II, o Czar, abdica do trono e não indica sucessor.
A questão seria a falta de alimentos em face da campanha militar do Império nos “fronts” da I Guerra e a opressão aos camponeses. Havia descontentamento contra a dinastia Romanov, desde 1860. Já em 1895, Lênin, na verdade Vladimir Ulianov, era feito prisioneiro por insurreição. Sibéria nele.

Foi em novembro (outubro, no calendário gregoriano) de 1917, a disputa entre mencheviques e bolcheviques para defenestrar o enfraquecido chanceler Miliukov. Esse desejava a manutenção da Rússia na findante I Guerra. Desde fevereiro, formava-se o caudal a culminar com a tomada do Palácio do Inverno pelos bolcheviques, pessoas do povo e parte dos militares. Nada valeu a proclamação da república em setembro.
Forma-se um governo revolucionário a pedir a retirada das tropas da guerra e a promulgar decretos extinguindo a propriedade privada, pregando a distribuição de terras aos camponeses, fim da pena de morte e da censura à imprensa.

As informações acima, de todos conhecidas, foram, nesse novembro de 2017, objeto de cadernos especiais por jornais do mundo e do Brasil. Um pequeno comentário meu, sobre o Caderno -100 Anos da Revolução, saiu em 7 de novembro 2017, página 3 da Folha de S. Paulo.
Esse trabalho, reprodução de fatos históricos de domínio público, refere os 74 anos do regime comunista implantado e seguido por Lênin, Stalin, Khruschev (em tour guiado, sentei na cadeira em que ele,na ONU, tirou o sapato e ficou batendo na bancada) Brejnev, Andropov, Tchernenko e, por fim, Gorbatchev. Os basilares dessa lista, são Lênin (1922-24), Stálin (1924-53), Khruschev (1953-64), Brejnev (1964-82) e Gorbatchev (1985-1981).A queda do Muro de Berlim, em 1989 (eu estava na Alemanha na casa de Winfried Helchmann), a derrocada dos satélites: Polônia, Hungria, Bulgária e Romênia era o fermento para o fim da Guerra Fria e a eclosão de um novo estado, a Rússia, com a extinção, por gravidade, da URSS.

Em 1991, era extinta a antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas-URSS. Ela congregava 15 repúblicas e possuía território de quase 23 milhões de quilômetros quadrados. É preciso repercutir, entretanto, o papel da URSS na II Guerra Mundial, sem o qual, os aliados contra Hitler, talvez, não tivessem vencido ou a guerra não teria acabado em maio de 1945. O maior número de mortos foi de russos, estimados em 20 milhões.
A Guerra Fria, de 1947 a 1991, alimentou a venda de equipamentos e armamentos, a corrida espacial, o surgimento de Fidel Castro em Cuba, talvez a morte de John Kennedy e, paradoxalmente, a discutível Lei dos Direitos Civis a abolir, em termos, a segregação racial nos Estados Unidos, assinada por Lyndon Johnson, em1965.

A História ainda não fechou os estudos sobre a teoria marxista e a sua aplicação prática. Hoje, perduram China, um comunismo heterodoxo, Coreia do Norte, Cuba, Laos e Vietnã. A magnitude da China, segunda potência mundial, contrasta com o atraso dos demais países comunistas em 2017.
Não foi dito, mas é sabido. Vladimir Putin, no poder desde 2000, aliado à Igreja Ortodoxa -a razão do símbolo das duas águias, tenta reunificar as repúblicas da Rússia, mas não cooptou a Ucrânia e a Geórgia. Conta com Belarus, Cazaquistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Tajiquistão e Quirguistão, da Ásia Cental. Descobri a razão desses países usarem o sufixo “istão”. Nas línguas hindi, persa e quirguiz, ali faladas, “istão” quer dizer lugar de morada.

Concluo, com Churchill e Lênin. Churchill: “O vício do capitalismo é a partilha desigual do sucesso. O vício do socialismo é a partilha equitativa do fracasso.” Lênin: “Enquanto o capitalismo e o socialismo existirem, não poderemos viver em paz. Um ou outro terá de triunfar.” O que diz você?

outros destaques >>

Facebook

Twitter