quarta-feira, 22 de agosto de 2018.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Tragédia anunciada

EDITORIAL

quarta-feira, 07 de fevereiro 2018

Imprimir texto A- A+

Muitas vezes, infelizmente, é preciso que uma tragédia ocorra para que acordemos para as necessidades mais urgentes, e é isso que nos lembra o desabamento do viaduto no centro de Brasília. Informações preliminares dão conta de que o equipamento deveria ter passado por manutenção pelo menos há sete anos. Em 2011, estudo do Sindicato de Engenharia e Arquitetura já havia detectado que esse era um dos viadutos e pontes do Distrito Federal que precisavam de reparos e obras de manutenção com urgência.

Segundo o relatório, o viaduto do Eixão no Setor Comercial Sul apresentava o agravamento dos problemas que já haviam sido detectados em estudo anterior, de 2009, necessitando de “intervenção urgente face ao alto volume de veículos que ali trafega”. “Importante sofrer intervenção planejada para não comprometer ainda mais o trânsito de veículos em toda região central de Brasília”, aponta o estudo. Ora, assim como esse viaduto de Brasília, é certo também que muitos outros equipamentos, em milhares de cidades brasileiras, precisam de manutenção, e é preciso que se ressalte que, em muitos casos, se trata, mesmo, de um caso de vida ou morte. Por sorte, no desabamento em Brasília, houve apenas danos materiais. Testemunhas, moradores e transeuntes dizem que foi por um verdadeiro milagre que vidas não tenham sido perdidas no episódio.

O relatório brasiliense mostrou ainda que 40,5% das passarelas e 30% das pontes e viadutos não se encontravam em bom estado de conservação. Quantas prefeituras não sabem ao menos em que condições estão as estruturas de suas cidades? Equipamentos em que transitam, diariamente, milhões de brasileiros necessitam de uma atenção mais especial do poder público, afinal, os cidadãos pagam pesados impostos justamente para que tenham o mínimo de segurança ao transitar em pontes, viadutos e passarelas. Que essa tragédia, que poderia ser muito maior, sirva de exemplo.

outros destaques >>

Facebook

Twitter