segunda-feira, 20 de maio de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Acrísio Sena acusa governo Bolsonaro por “desmonte” da política ambiental

quarta-feira, 15 de maio 2019

Imprimir texto A- A+

O deputado Acrísio Sena (PT) criticou, ontem, durante sessão na Assembleia Legislativa, o que avalia como “desmonte” da política ambiental do País que, segundo ele, está sendo sistematizada e deferida pelo Governo Federal. Ele ressaltou o alerta lançado no último dia 8 de maio, assinado por todos os ex-ministros do Meio Ambiente vivos desde que a pasta foi criada, em 1992.
O deputado informou que, no documento, os ministros lembram que um dos grandes desafios do século 21 está na implementação do desenvolvimento sustentável, conforme decidido em 2015, com aprovação da Agenda 2030 na assembleia geral da Organização das Nações Unidas (ONU), com o apoio de 95 países.

Os ex-ministros responsáveis pelo alerta são Rubens Ricupero, Gustavo Krause, José Sarney Filho, José Carlos Carvalho, Marina Silva, Carlos Minc, Izabella Teixeira e Edson Duarte.

Acrisio apontou que todos vêm de partidos diferentes e concepções ideológicas diversas. “Todos acusam o presidente Jair Bolsonaro de colocar em prática em pouco mais de quatro meses uma política sistemática, constante e deliberada de desconstrução das políticas ambientais, além do desmantelamento de organismos de fiscalização”, informou.

Entre as “medidas desastrosas” assinadas pelo governo Bolsonaro, Acrisio Sena destacou a transferência da demarcação de terras indígenas e do Serviço Florestal brasileiro para o Ministério da Agricultura; a perda da Agência Nacional de Águas para o Ministério de Desenvolvimento Regional; a extinção da Secretaria de Mudança climática; o assédio aos fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), responsáveis pela aplicação de multas ambientais; entre outras.

O deputado avaliou ainda que Jair Bolsonaro conseguiu esvaziar o Ministério do Meio Ambiente ao nomear Ricardo Salles, a quem classificou de “um ministro anti-meio ambiente”. Ainda de acordo com Acrisio Sena, a pasta debilitou os sistemas de proteção florestal dos povos indígenas, essenciais na preservação da biodiversidade.

Para Acrisio Sena, o Governo Federal está revertendo todas as conquistas que o Brasil galgou desde a década de 1970, incluindo o processo de institucionalização das políticas ambientais. “Não podemos correr o risco de isolamento político e internacional ou fechamento de mercados para nossas exportações. Não podemos desembarcar do mundo em pleno século 21”, concluiu.
Ele considerou, ainda, que todos os ex-ministros que assinaram a nota foram enfáticos ao afirmar que, ao contrário do que prega Bolsonaro, a defesa da natureza, da biodiversidade e o combate às mudanças climáticas não são incompatíveis com o desenvolvimento econômico.
Em aparte, o deputado Romeu Aldigueri (PDT) afirmou que o atual ministro ambiental é um “fantoche que está servindo para desmontar a política ambiental do país”.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter