terça-feira, 17 de setembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Ciro Gomes e Mauro Filho podem ser expulsos do PSB

terça-feira, 02 de setembro 2008

Imprimir texto A- A+

O deputado federal Ciro Gomes e o secretário da Fazenda, Mauro Filho, correm o risco de serem expulsos do Partido Socialista Brasileiro (PSB), legenda a qual são filiados, sob a acusação de infidelidade partidária. Quem adianta é o advogado da sigla, Crescêncio Pereira Júnior.

Segundo o magistrado, tanto Ciro quanto Mauro estão apoiando a reeleição de João Bosco (PSDC), o que configura descumprimento do regimento interno do PSB, já que o partido tem em Vicente do Zuza o seu candidato próprio em Pentecostes.

De acordo com Crescêncio, o deputado participou de carreata e o secretário apareceu no programa eleitoral de João Bosco. "Nós fazemos oposição ao prefeito João Bosco e não tem o menor sentido os senhores Ciro Gomes e Mauro Filho apoiarem candidato de outro partido. Isso é um absurdo, porque quem é de um partido tem que apoiar o seu candidato e não outro", reclama.

O advogado acrescenta que vai orientar o PSB de Pentecostes a entrar com representação contra os dois e esclarece que o caso será encaminhado ao Conselho de Ética do PSB para que o colegiado julgue o que deve ser feito.

O Estado entrou em contato com Mauro Filho para que ele comentasse o caso. Entretanto, o secretário informou, através de sua assessoria de imprensa, que não iria se manifestar enquanto não fosse comunicado oficialmente da possibilidade de ser excluído dos quadros do PSB. A redação também tentou falar com Ciro Gomes, mas o deputado esteve com o celular pessoal desligado até o fechamento desta edição.

Corda bamba também em Fortaleza

Além dessa ameaça em Pentecostes, Ciro pode ter ainda um pedido de expulsão solicitado pelo PSB de Fortaleza logo após o término das eleições municipais. Isso, porque o presidente do partido na Capital, vereador Rogério Pinheiro, disse que vai processar o parlamentar devido às declarações feitas contra a candidata do PT à reeleição, Luizianne Lins.

Depois que a Justiça vetar a veiculação da imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no palanque eletrônico de Patrícia Saboya (PDT), a pedido da petista, Ciro gravou um vídeo em que chamou Luizianne de "coronelzim de saia" e classificou a gestão da prefeita como "fuleiragem pura e simples".

Para Rogério, esse tipo de atitude é agressiva e não condiz com a postura de um deputado federal, apesar de Ciro ter entrado no PSB já de forma polêmica por conta do seu comportamento de, segundo Rogério, "não ter uma vida politicamente coletiva". Ele também não está satisfeito com o fato de Ciro ter declarado apoio incondicional à candidatura de Patrícia ao invés de ficar do lado de Lins, que conta com o PSB na sua coligação. "Ele fez colocações muito agressivas", falou.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter