27 C°

sábado, 29 de julho de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Deputados defendem conclusão da transposição do São Francisco

terça-feira, 21 de março 2017

Imprimir texto A- A+

Deputados federais e estaduais passaram mais de três horas reunidos, na Assembleia Legislativa, discutindo soluções que, segundo eles, podem ajudar a superar a crise hídrica no Estado do Ceará, dentre elas a conclusão das obras da transposição do Rio São Francisco.

Durante audiência pública, os parlamentares presentes manifestaram desejo de trabalhar juntos em uma agenda que passa prioritariamente pelas medidas de convivência com a seca, e prometeram mobilizar os políticos e o governo federal para a importância de uma pauta comum sobre a crise hídrica. De acordo com o coordenador da bancada cearense, deputado Cabo Sabino (PR), o Ministério tem sido solícito e tem “certeza que o Estado vai contar com a colaboração” que os parlamentares poderão dar às propostas.

À imprensa, Sabino informou que, em 2017, os deputados asseguram, por meio de emendas parlamentares, cerca de R$ 112 milhões para obras hídricas no Ceará. Ele antecipou que, até o início de abril, a licitação do restante da obra do eixo norte da transposição será concluída e as obras retomadas logo em seguida.
O presidente da Comissão de Desenvolvimento Regional, deputado Carlos Matos (PSDB), pediu o apoio da bancada federal do Estado para pressionar pela conclusão das obras do eixo norte da transposição do Rio São Francisco, por onde a água chegará ao Ceará. Além disso, o parlamentar defendeu a inclusão, na área do semiárido brasileiro, de mais 30 municípios cearenses. Eles foram excluídos da classificação por não haver estudos indicando pluviosidade abaixo de 800 mm anuais.

“A Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme) já concluiu estudos sobre a pluviosidade dos últimos 30 anos em oito municípios que podem ser enquadrados imediatamente na zona do Semiárido, os qualificando a receber políticas públicas reservadas aos municípios com baixa pluviosidade”, informou Carlos Matos, criticando a continuidade do funcionamento da termelétrica do Pecém, mesmo quando a produção de energia do País está em bandeira verde. Para ele, o equipamento poderia sair de operação, o que economizaria 100 litros de água por segundo.

Tocantins
Na avaliação do deputado federal Raimundo Matos (PSDB), mesmo com a conclusão da transposição do rio São Francisco, a crise hídrica da região do semiárido persistirá. Por isso, ele defendeu a necessidade de avaliar a possibilidade de transposição do Rio Tocantins. “Nós também precisamos assegurar a revitalização do São Francisco e pensar em um gerenciamento nacional dos recursos hídricos, como acontece na distribuição de energia elétrica”, comentou.
O representante da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Wanderley Guimarães, entretanto, assegurou que o abastecimento de Fortaleza está garantido até o final do ano mesmo que não sejam registradas novas precipitações. No entanto, ele alertou que as chuvas que aportam águas nos principais reservatórios do Estado – como Castanhão, Orós e Banabuiú – ainda não são significativas. “Assim, é necessário que toda a população de Fortaleza se conscientize de que é preciso economizar água”, defendeu.

Também participaram do debate os deputados Capitão Wagner (PR) e Mirian Sobreira (PDT); os deputados federais Chico Lopes (PCdoB), Odorico Monteiro (Pros), Gorete Pereira (PR), Zé Airton Cirilo (PT) e André Figueiredo (PDT); e os representantes da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, Nizomar Falcão; da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Bessa Júnior; e do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS), Ângelo Guerra.

outros destaques >>

Facebook

Twitter